Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Fim de tarde

Aos poucos a casa silencia. Tudo vai retomando o ritmo mais lento, que antecipa a chegada da noite. Não mais a correria, nem barulho, nem o entra e sai das pessoas que amamos e que exigem nossa atenção constantemente. O telefone deixa de tocar.
Embora este movimento de vida seja agradável, o silêncio vem me acolher, amenizando o cansaço.
Tudo a minha volta encontra-se impregnado pelo perfume de amizade, carinho e amor, provocando-me uma sensação de bem estar e de ligeira nostalgia.
Uma das coisas que mais aprecio é encerrar meu dia na companhia de boa música.
O som da melodia convida-me a soltar as rédeas da imaginação; desligando-me do que, habitualmente, ocupa meu sentido. Vou aos poucos me distanciando da rotina e suas solicitações. Atendendo ao apelo insistente da emoção.
Ah! Uma aventura deliciosamente suave, encantadora e irresistível. Meu espírito passeia livre, sem limites. Por um tempo, que não tem medida, vaga pelo espaço que conquista, ao se livrar das fronteiras do cotidiano.
Por um momento perco o contato com a realidade, como se atravessasse uma brecha do tempo e do espaço, e adentrasse uma fatia do vácuo que mora na eternidade.
Não tenho medo, nenhum receio me acompanha nesta aventura, apenas a serenidade, a expectativa e a enorme vontade de ousar e prosseguir a fim de desvendar todo mistério que se oculta na imensidão do infinito.
Espiando pela janela presencio a despedida do dia, que vai saudando a noite retirando-se suavemente, como se também ele estivesse desejoso de descanso.
O momento em que a noite se estabelece todo o Planeta rende-se ao seu encanto, em reverente saudação, como se fosse a rainha que associamos a nossa mente. Incita o pulsar da emoção, dos sonhos, da fantasia, dos aspectos mais sutis de nossa existência. Assim como ao dia saudamos como símbolo de nosso discernimento. Luz, vigília, razão!
O barulho da porta da frente se abrindo, toma-me de sobressalto, tão distraída me encontro. Rapidamente vou ajeitando a escrivaninha, desligando o micro e fechando a janela.
É hora de providenciar o jantar.





Priscila de Loureiro Coelho
Consultora de Desenvolvimento de Pessoas
Priscila de Loureiro Coelho
Enviado por Priscila de Loureiro Coelho em 17/06/2005
Código do texto: T25281
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Priscila de Loureiro Coelho
Jacareí - São Paulo - Brasil, 65 anos
1286 textos (215175 leituras)
1 e-livros (148 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 10:23)
Priscila de Loureiro Coelho