Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O COLÉGIO

               Lembro-me bem da primeira vez que fui levada ao Colégio. Colégio São Paulo. Avenida Vieira Souto, 22, Ipanema, Rio de Janeiro.

                Sobre o assunto não paira qualquer dúvida de que ninguém pediu a minha opinião. Naquele tempo os pais não davam satisfações de seus atos aos filhos. Determinavam o que se tinha de fazer e a gente obedecia sem questionar. Eu andava, já, pelos seis anos, portanto, era mais do que hora de começar a estudar.

                Minha mãe, de comum acordo com suas relações de amizade, decidiu-se por esse que achou o mais adequado. Desconheço qual o critério adotado para a seleção, mas lá fui eu. E lá fiquei, sózinha, no meio de pessoas totalmente estranhas. Pouco faltou para que eu entrasse em pânico quando vi minha mãe saindo. A vergonha de chorar, porém, foi mais forte que o medo e aguentei firme. Afinal, raciocinei, serão somente umas poucas horas, passarão depressa. Mas como custaram!

                 Á medida que os anos passavam o colégio tornou-se parte integrante do meu cotidiano. Forçosamente teria que ser assim, pois eu passava muito mais tempo lá do que mesmo em casa. E acreditem gostava. Gostava não só das irmãs, como das colegas que durante todos aqueles anos foram companheiras assíduas.

                 Vocês sabem como é colégio de freiras. Tudo são desculpas para festas: seja em benefício de missões as mais estranhas, ou em comemoração de algum santo protetor. A Semana Santa, por exemplo, era motivo de regozijo: tínhamos de fazer retiro. Que delícia! Passávamos o dia no colégio - estudávamos um pouco de religião, líamos passagens sobre a vida dos santos e escutávamos estórias que as freiras sabiam contar como ninguém. É claro que havia muita reza e íamos à capela com frequência, mas esta era tão agradável e os sermões do Pe. Agostinho tão engraçados que o prazer sobrepujava o sacrifício. Aliás a ida à capela era considerada uma regalia e não um castigo.

                 Maio era outra época gostosa. Havia quermesse e apresentações de teatro no auditório. Os festejos de maio encerravam-se, muito pomposamente, com a coroação de Maria pelos anjos. Nunca fui anjo. Mas mesmo assim, jamais deixei de tomar parte na coroação. A capela, que era bem ampla, ficava repleta de alunas de todas as classes entoando cânticos e aguardando, impacientes, o "grand finale"

                 Nessa época, essa em que frequentei o "Colégio São Paulo das Religiosas Angélicas", eu residia em Botafogo. A casa em que eu morava foi posta à venda e, dada a impossibilidade de ser adquirida por meus pais, nos mudamos para Realengo, e deixei o colégio.

                 Começa, então, um novo período da minha vida - o da adolescência. Isso, porém, é assunto para uma outra ocasião.



                                      maio-95






               
HLuna
Enviado por HLuna em 04/10/2006
Reeditado em 04/10/2006
Código do texto: T256037
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (http://recantodasletras.uol.com.br/autores/helenaluna). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
HLuna
Fortaleza - Ceará - Brasil
9343 textos (235668 leituras)
15 e-livros (905 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 08:39)
HLuna