Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

(Imagem de A Brito, www.thousandimages.com)

NEM COM MASTERCARD

“Se você esperar pelo momento perfeito, o momento perfeito vai passar por você” 

               Saída de uma dessas caixinhas de “vamos ver a sorte”, vem essa frase aí de cima. Não há momento perfeito, hora exata, instante preciso pra nada. Também não há a pessoa certa, o príncipe encantado, a alma gêmea. Não há nada a esperar que venha trazendo a felicidade na bandeja. Não há destino, fellows, há uma viagem. E o melhor da viagem é ir vendo as paisagens à beira da estrada. 

               O mais engraçado da brincadeira é que estão todas elas dentro de nós. Você está buscando um amor perfeito? Perda de tempo. Amor perfeito existe sim, mas sem endereço, sem destinatário. Ame apenas, seja como for, correspondido ou não. O simples fato de este amor estar dentro de você te liberta pra amar sem preocupar-se. Se o objeto do seu amor não te corresponde de jeito nenhum ou pelo menos da mesma forma, não é assunto seu. O seu assunto é o SEU amor. Amor liberta, não cria apegos e nem dependências. Dispensa o possuir, o grudar, o ter que estar do lado.A gente ama porque ama e ponto final. E isso nos dá asas. E asas, dão paz dentro da gente. 

               Não há momento certo, nem pessoa certa, nem amor adequado. Há apenas o amor que você nutre na hora que em que ele chega (e ele chega na hora que lhe dá na telha) e precisa. A pessoa é uma questão de afinidade sua mas que não necessariamente acha q ue você é a afinidade dela e o amor, bem...este é SEU. E se você entender que este amor prescinde de destinatário, você já é livre. Em sendo livre, tanto faz como tanto fez, se ele volta pra você. E o melhor, você segue, mesmo sozinha com seu amor, mais acompanhada do que a maior parte dos apaixonados que andam jurando por aí e grudados com Superbonder (não é merchandising, tá?). Plena, inteira e em paz com você. 

               Como diz a propaganda, pras outras coisas tem Mastercard. Agora, isso, meus caros, não tem preço.

Débora Denadai
Enviado por Débora Denadai em 04/10/2006
Código do texto: T256330

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Débora Denadai
Caracas - Distrito Federal - Venezuela, 54 anos
722 textos (154021 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 14:23)
Débora Denadai