Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

TRANSPLANTE DE FÍGADO: A REJEIÇÃO

A vida é surpreendente: algumas pessoas são sedentárias, bebem muito, fumam demais, dormem e acordam tarde, mas vivem longa e saudavelmente; outras praticam esportes, dormem e acordam cedo, não bebem, não fumam, não furunfam e, precocemente, são promovidas a defunto.
Carlos Bocaiúva pertencia à segunda hipótese. Menino, teve infância normal e sem graça. Até ensaiou umas farrinhas na adolescência, mas não deu certo. Casou-se muito jovem e passou a levar “vida família”: acordava com os passarinhos, caminhava oito quilômetros todos os dias, fazia lauto e saudável desjejum, ia pro trabalho, voltava pro almoço balanceado, enfrentava a segunda jornada no escritório, voltava pro lar, tomava uma sopinha leve com a família, lia um pouco, exercitava-se e, cedo, estava pilotando o seu Pelmex.
Transar? Só nas noites de sábado – depois da novela das oito. E, mesmo assim, aquela transa burocrática: papai-mamãe, quatro minutos, virada de bunda e roncos até de manhã. Carlos era um verdadeiro ferrolho. Pedia perdão a Deus, sempre que pensava em outras mulheres. Coisa raríssima.
Um dia, Carlos amanheceu cansado, com dores no estômago, respiração ofegante, arritmia e ânsia de vômito. O homem tava mais amarelo do que pilha Ray-O-Vac. Tomou quarenta gotas de Elixir Paregórico, sem nenhum efeito. À tarde, com muita dificuldade, foi ao médico que lhe pediu uma bateria de exames e requisitou sua internação.
Dois dias depois, com os resultados na mão, o médico falou:
- Carlos, o assunto é sério: hepatite C. A doença está adiantada e só tem uma saída: transplante de fígado. Não é fácil. Você tem que sair da cidade para um centro mais avançado, batalhar e torcer para conseguir um órgão compatível.
Os planos de saúde, todos nós sabemos, só cobrem despesas de quem não está doente. Carlos vendeu tudo o que era vendável, se mandou para o Rio de Janeiro e internou-se no Hospital O Bom Samaritano. Cumpridas todas as formalidades, ficou à espera de alguém que morresse para lhe dar a vida.
No Jornal Nacional, William Bonner noticiou:
- O cantor e compositor Zeca Pagodinho, depois de mal súbito, deu entrada, hoje, no Hospital O Bom Samaritano. Os médicos evitam se pronunciar sobre o assunto; prometem um boletim detalhado para as próximas horas.
Carlos entrou em pânico, ligou para o seu médico e, quando atendido, implorou:
- Doutor, eu quero que o senhor me prometa que não vão me dar o fígado do Zeca Pagodinho... – E concluiu – Eu gosto muito dos sambas que ele faz. Mas é só isso!

e-mail: zepinheiro1@ibest.com.br
Aroldo Pinheiro
Enviado por Aroldo Pinheiro em 06/10/2006
Código do texto: T257583
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Aroldo Pinheiro
Boa Vista - Roraima - Brasil, 62 anos
105 textos (11579 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 17:42)
Aroldo Pinheiro