Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Estado de Consciência

Segundo a ciência, o bom humor mantém altos os níveis de serotonina, uma substância relacionada à alegria. Então, pode-se concluir que encontra-se em altos níveis a serotonina quando se está feliz, e que manter elevado os níveis dessa substância no organismo depende de fatores externos, já que, o bom humor está relacionado a nossa disposição emocional ao lidar com os elementos e situações que se apresentam constantemente em nossas vidas.
Mas analisando a felicidade além do conhecimento científico, e sim dentro do âmbito social, mais especificamente, na sociedade contemporânea, buscando encontrar a melhor maneira de se viver bem e feliz, você já se perguntou, qual o sentido de todas as atividades do seu cotidiano?  Perguntou-se por que estudar, por que trabalhar, muito além da resposta de ganhar um diploma ou de ganhar dinheiro?  Talvez não se lembre, mas quando ainda era pequeno, pode ter começado a galgar tudo o que cerca sua vida, vivendo a resposta, que é a realização de sonhos ou de momentos que nos trarão felicidade e satisfação.
Quando ainda estamos no início da vida, quando ainda somos apenas crianças, nos permitimos sonhar e viver plenamente cada momento. Divertir-se com castelos de areia e ter motivos para rir e chorar até a barriga doer. Pois permitimos que tudo tenha um sentido próprio para nós, brincamos no balancê e sentimos o vento como se estivéssemos soltos no ar. Não importa que isso não tenha sentido algum para qualquer outra pessoa. Porque acreditamos nisso com convicção, acreditamos no que vemos e sentimos. Escolhemos o modo como queremos ver tudo o que está a nossa volta.
Então de repente, nos vemos jovens e quase adultos, nos vemos sérios, olhando de forma saudosista para a nossa infância, achamos que aquilo é que era felicidade, simplesmente porque éramos livres, não livres no estado físico, e sim no estado mental. E o agora só tem sentido, pela busca do futuro, já estamos condicionados. Nos formatamos e preferimos nos acomodar  buscando quem nos diga o que vestir, o que comprar, com que carro andar, para que não fiquemos à margem, para que possamos nos encaixar nos padrões e sermos aceitos de acordo com o que representamos através de nossas posses de bens materiais e posicionamento social, pois nos ensinaram que esse é o caminho da felicidade e é ele que devemos seguir.
Essa sociedade que lhe diz como viver, também lhe diz que você deve ser o melhor, que apesar de vivermos no coletivo, você deve se destacar, ser individualista, satisfazer as suas vontades e os seus sonhos, mesmo que eles não sejam os seus, mas isso é só um detalhe imperceptível, não pare para pensar nisso, você não sabe disso e nem deve saber.
Assim de jovens até adultos, de adultos até maduros e quem sabe chegar em um certo ponto da vida para perceber que corremos o risco de estarmos perdidos, sem saber o que somos, o que queremos e que já nem sabemos mais porque trabalhamos, porque estudamos, mas não há volta, não há outra saída, porque temos agora outras coisas pendentes, desde a sobrevivência, até mesmo a consciência, de que sem tudo isso, não significamos nada para nós mesmos ou para alguém. E essa consciência só aparece quando paramos para pensar, então evitamos.
Mas que tal não evitarmos e quem sabe, descobrir que constituímos o total da soma de todas as nossas escolhas?
Pararmos de culpar a moda pela nossa roupa escandalosa, nossos pais por sermos ruim às pessoas, culpar os  amigos por estarmos fumando, e até mesmo a ex-namorada por estarmos sofrendo. Deixemos fluir cada sentimento. Fiquemos sem graça, sintamos o desamor, estejamos consciente de nossos erros, reflitamos e se necessário percamos um dia ou uma noite pensando neles.
Ter um auto-conhecimento ajuda-nos na nossa relação com o mundo e com as pessoas. Assim também, estes relacionamentos nos permitem conhecermo-nos melhor. É algo cíclico e natural. Como que comparável ao amor. Não o que se busca para  alimentar o ego, mas o que realmente podemos sentir.
Para dizer que se ama alguém, basta você saber o que é amor, e mesmo assim essa pessoa poderá dizer que não é amada por você, pois sentirá o reflexo do seu sentimento que você diz ser amor. Mas o amor é seu, é no seu ser que ele se manifesta. Do mesmo modo, para uma pessoa sentir-se amada por você, basta-a saber, o que para ela é amor, mesmo você dizendo que não a ama.
Conhecemos tão pouco os próprios sentimentos, que depender da interpretação  e certeza dos sentimentos alheios em relação a nós, para deixar fluir os nossos, é condenar-se a viver sem ter nada que seja realmente só seu, até mesmo a sensação de estar feliz.
Por isso, não se preocupe somente com o que, e quem você é para os outros, pois esta uma maneira de responsabilizar a todos pelos seus erros, pelas suas escolhas, pelo seu sofrimento, pela sua felicidade e anular a oportunidade de ser você mesmo. Vá em busca de você, e descobrirá que este é um dos maiores desafios do homem, onde não há manuais, registros, dogmas ou qualquer outro ser humano lhe dizendo por onde ir. Você é o único responsável.









Marcela
Enviado por Marcela em 08/10/2006
Reeditado em 28/06/2009
Código do texto: T259700

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria MARCELA MACEDO DE ANDRADE http://recantodasletras.uol.com.br/autor.php?id=10632) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Marcela
Santos - São Paulo - Brasil, 32 anos
32 textos (2255 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 12:49)
Marcela