Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

TEMPO E A FLOR NA LAPELA

(aos colegas da turma 1967 de aspirantes a oficial da Brigada Militar)

“Exibe-nos a Vida na lapela; a glória
dura o que dura uma manhã de sol. Após,
esgotada a cor, extinto o perfume,
a mão que nos colheu lança-nos fora,
pra que nos leve a carroça do estrume
que vem na madrugada,
ou, se chover, nos leve a enxurrada.

Reinaldo Ferreira, in Flor de Lapela, poema”.


O tempo faz suas diabruras em quase quarenta anos.

Novamente os meninos do Centro de Instrução Militar, CIM, estão juntos. Relembram-se os quatro anos acadêmicos no Curso de Formação de Oficiais, CFO, na gloriosa Brigada Militar do Rio Grande.

Áureos tempos de pós-adolescência, mesmo que 64/67 tenham sido anos de tantas mudanças na história e no regime da pátria brasileira. Até se perdeu a serena voz da democracia construída a partir da Segunda Guerra Mundial e os estertores totalitários.

O espectro ditatorial voltara. Novamente a liberdade estava reduzida à boca pequena, aos cochichos dos que pagam o preço de sonhar Liberdade.

E lá estavam os cadetes a cavar trincheiras, a limpar suas armas e a antever casamatas. Afinal, este era o juramento: “Defender a Pátria até com o sacrifício da própria vida!”.

Os “paus pra toda a obra” também cavaram buracos, sentaram pedras, fizeram argamassa “a muque” para o alojamento “B” do prédio central do CIM, nas Bananeiras. Também para o Hospital da BM, que se construía no bairro Tristeza.

Marchávamos e cantávamos todas as manhãs de sol e chuvas. Lá que outras vozes, à socapa, nos fizeram chorar por entre os muros dos feriados e finais de semana.

Havia, insólita na lapela, a flor dos que amam, e por isso constroem o futuro com destemor.

Passou o tempo das gurias e das “zoeiras”, e foi impotente a “Flika” do cadete Nelson Ligório para registrar memórias fotográficas em cima do lance.

Amadurecemos – todos – depois de tantos novembros comemorativos, que é a primavera de se contar o tempo na velha Brigada do Rio Grande, nascida lá em 1837, na plenitude ansiosa do marco revolucionário farroupilha.

A irreversibilidade da passagem do tempo encaneceu Pátria e suas cantilenas memoriais.

Na América Latina, onde a regra política usual é o golpe, e é exceção a plenitude democrática, vive-se os percalços políticos de uma nação que reaprendeu a andar por si mesma a partir da Constituição-Cidadã de 1988.

Tudo de novo, recomeçado. E se paga o preço do aprimoramento assistindo à carnificina dos partidos políticos, o levantamento dos tapetes da corrupção institucional e uma imensa sensação de impunidade do Oiapoque ao Chuí. O Povo vota de braços cruzados em 2006.

Os moços de 64 estão aqui novamente, brindando a tentativa de resgate dos tempos transcorridos.

Já não somos os “bons de bola” e também não conseguimos trocar o nome do Padre Vieira e o seu "Sermão da Sexagésima", com a Professora Julieta Longo choramingando aos nossos moucos ouvidos.

Tampouco a Canção Olímpica da Brigada, criação imortal do colega José Hilário Retamozo e o aporte musical do Capitão Zaqueu Barbosa da Silva.

A foniatria dolorosa dos tempos abafou a voz de Dinah Néri Pereira, que deve estar no andar de cima, a organizar o Orfeão Celestial, classificando naipes vocais e regionalizando São Pedro para o Rio Grande de Deus.

Partiram para a outra margem alguns cavaleiros e infantes. Parece mentira o estrago que o decurso do tempo traz. Já são seis os colegas que transpuseram de margem a margem o Rio Profundo.

Tentamos, a duros entreveros, que o Tempo nos aprimore para as comemorações dos 40 anos de formatura, de declaração ao aspirantado.

Luta-se – sempre – com o ferrete das horas, dias e anos. É célere a caminhada dos vivos. A curva ontogenética faz o seu traçado de penas e risos. Neste rolar dos dias polimos a pedra bruta.

Que se possa continuar tomando vinho e cerveja, esquecendo as restrições médicas referentes aos sexagenários, enquanto degustamos o churrasco das memórias e um naco de palavrório.

Para quem ainda pode cantar, é bom relembrar, nesta hora, que Geraldo Vandré está vivo em sua bonomia, excluindo-se – amorosamente – o tema original denunciador de Pátria e falsa mudança: “Quem sabe faz a hora, não espera acontecer”.

Este é ainda o sonho dos Cavaleiros, quixotescos bastiões de 1964. Alquebrados, mas muito vivos no memorialismo: estarmos juntos em novembro de 2007, para regurgitar os anos e lavar a alma.

Será quando o coração vai bater mais forte. E é possível que a emoção faça ressurgir os batimentos do relógio da vida, pois ainda choraminga o sonho de Fernando Pessoa, o português do mundo:

“Tudo, tudo vale a pena, se a alma não é pequena!”.

– Texto alinhavado em 30 minutos, durante a reunião dos colegas de turma, em 09Out2006.

– Do livro CONFESSIONÁRIO - Diálogos entre a Prosa e a Poesia, 2006.
http://www.recantodasletras.com.br/cronicas/260928
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 10/10/2006
Reeditado em 23/05/2008
Código do texto: T260928
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709760 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 01:40)
Joaquim Moncks