Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O ANDAR QUIETO , ENGOLINDO PALAVRAS QUE SERIAM LOGO ESQUECIDAS

A garoa não o perturbava. Era o reflexo  de seu dia , de sua vida , de seu jeito de ser. A cidade estava  cinzenta, como cinzento  iam seus pensamentos.Pensamentos de tristeza, de cores escuras, de poças cinzentas .O dirigível azul  e branco  não parecia chamar-lhe a atenção .O charuto aprumando , mudando de rota, não tirava dos passos medidos , quietos, que não se importavam  com os buracos , as imperfeições na calçada que a ultima administração  prometera consertar .Antes, fazia questão  de pisar e chafurdar o pé nas poças , inclusive chutando, como Genne Kelly fizera em "Cantando na Chuva" .Mas não era  alegria ou amor.Estes sentimentos á muito haviam  deixado  de fazer parte da sua vida.  Inclusive abominava  , como coisa de somenos , pura perda de tempo .O andar quieto  engolia as palavras que seriam logo esquecidas . Palavras que pretendia , um dia , dizer ao chefe, ao patrão,  ao leiteiro, ao padeiro  e ao gari  que há duas semanas  não passava em sua rua. Mas, acima de tudo , falar para ela, a pérfida,  a enganadora , a fingida que um dia  passou por ele. Como não sentir o perfume envolvente , o jeito maroto  e a brejeirice daquela que tantos males  lhe causaria? Foi uma única vez , e a última, se Deus o permitisse, que se apaixonara pela mulher de longas pernas, de olhar de azeviche , de fala cicciante. Ia agora mesmo falar com ela, que prometendo amor eterno  já saia com um tenente  e um advogado. Porque  foi cair de amores por ela? Logo por  ela que era  a mais desejada , a mais cobiçada das moças do cabaré .Devia saber que puta não se apaixona, só vive de ludibriar  incautos como aqueles. Por isso a garoa não mudou  seu humor .Por isso  as pedras da calçada  não lhe doia os pés  calejados. O vento não era  inimigo ; era um confidente das palavras  mudas , das imprecações danadas que ele  trocava consogo mesmo . E foi assim  que seus passos  o levaram ao cabaré .Ali parado  observava a janela do primeiro andar , a silhueta delgada da mulher nua que conhecia tão bem . Ficou um pouco por ali plantado , até que se ajeitou melhor o capote e voltou seu caminho. O andar quieto engoliu para sempre as suas palavras.
grotius
Enviado por grotius em 14/10/2006
Código do texto: T263869

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
grotius
Santo André - São Paulo - Brasil, 61 anos
444 textos (16459 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 16:31)