Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Espetáculo de Promotora

Espetáculo de Promotora

Já estávamos há mais de dez horas na sala de julgamento, as quatro estações do ano brindaram o dia. Naquele momento, apesar da chuva torrencial que despencava do céu, o calor era fatigante no ambiente. A promotora, uma mulher jovem aparentando mais idade do que tinha por causa da austeridade que o cargo exige, vestida elegantemente, fustigava com ímpar competência a testemunha como os granizos que batiam  contra a vidraça ao redor da sala.

A testemunha, mulher simples do povo, inculta, ensinada nos bancos das escolas da vida. Era parente muito próximo do réu, cujo crime fora tirar a vida de um seu vizinho da vila, pelo  motivo alvo da argüição da magistrada. Era uma mulher de meia idade,  aparentando a fadiga e a malandragem de toda uma existência, arcando com mais o peso daquele evento exaustivo. Contudo, resistia bravamente, protegendo o homem sentado a poucos metros, sangue do seu sangue.

A vítima, bradava a defensora da Lei, estava morta, incapaz de se defender, mas ela, a Promotora, estava ali, para fazer justiça.

A testemunha esboça um pensamento, quase um resmungo, transpassando os braços, num gesto de abraço, de proteção.  De repente, percebendo a distração, calou-se.

A Doutora da Lei, que tinha se dirigido para o seu lugar na mesa, avança em sua direção, ordenando que repetisse o que acabara de dizer.

Com olhar cansado e aparentando inocência, a mulher balbucia com voz fraca, que não disse nada.

A Promotora insiste :

-  Preste atenção, eu escutei a senhora dizer (ela passou a imitar o jeito da mulher falar com seus botões e com a mesma entonação, só que com muita ênfase,  por causa das negações da testemunha):

- “Ah!? bem que quando a gente estava na entrada da vila, perto do tanque, eu disse pra ele que aquilo ...”

- Mas eu não disse nada, repetia a mulher.

Não saberia dizer quantas vezes a promotora repetiu a frase, cada vez mais enfática, pronunciando o “Ah!?” seguido da frase. Falava tão perto da criatura que sou capaz de afirmar que ela sentia o hálito da doutora. E cada vez que ela repetia a frase, ela enriquecia a coreografia, fazia caras e bocas, arregalava os olhos, no intuito de arrancar a verdade da testemunha, que só repetia que não dissera nada.

Quem venceu aquele embate eu não lembro mais, mas recordo que eram quase duas horas da madrugada quando saímos. A competente promotora conseguira a condenação do réu.

A chuva mandava ainda seus últimos pingos, parecia que enxugava o céu, naquela hora de um azul profundo e escuro.



14/10/2006
DIANA GONÇALVES
Enviado por DIANA GONÇALVES em 14/10/2006
Código do texto: T263941
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original ((Diana Gonçalves - pseudônimo) http://www.recantodasletras.com.br/autor_textos.php?id=1908). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
DIANA GONÇALVES
São Paulo - São Paulo - Brasil
647 textos (753062 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 08:44)
DIANA GONÇALVES

Site do Escritor