Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Meu país, o Brasil!

Meu país, o Brasil!



Onde amarrei meu burro?
Nasci num país de corruptos e impunidade. Pior, nasci pobre. Trabalho de segunda a segunda, de sol a sol mesmo quando o sol se nega aparecer, lá vou eu com aquele despertador horroroso buzinando na minha orelha, levantando correndo e pronto, mais um dia de maratona infernal. Tudo por um salário que não chega aos pés do salário que realmente mereço. "Mas nem tudo é tão mau que não possa ficar pior", esse é meu chefe falando logo no primeiro horário do dia, nada otimista eu sei, então, criamos um sistema "imunológico" de deletar o que não nos serve ou não tem utilidade e seguimos em frente.
 
Bandidos me cercam em todo lugar, uns de terno e gravata, outros de pé no chão, não importa a aparência, todos têm por oficio o roubo. Roubam-me na cara dura. Outros tentam e teimam em tirar proveito de mim. Incrível, sou da paz, luto por ela mas parece que todo mundo tem como grande objetivo me provocar pra ver até que ponto eu agüento.
A coisa está tão cruel que outro dia no transito, eu esperando num cruzamento, ou melhor, pra entrar nele,  veio outro carro e simplesmente cortou minha frente, assim, sem mais nem menos. Fervi! E tem gente que acha que sou estourada... Eu não sou estourada, sou até muito calma...
 
Moro num país onde se prega muito a liberdade de expressão e acabo condenada quando exponho a minha própria opinião. As pessoas ainda insistem em calar minha voz, não querem ouvir verdades, têm medo do que são e dos próprios fantasmas. Também tenho os meus, claro, mas aprendi a enfrentá-los, assim como aprendi a enfrentar os obstáculos que são colocados no meu caminho.
Vejo crianças sendo maltratadas, violentadas, usadas, abandonadas aos descasos de pais irresponsáveis e egoístas que nem sequer sabem ou agem como pais e os órgãos responsáveis só dizendo que nada podem fazer, e penso, como pode existir órgão municipal, estadual, federal, para se resolver esse tipo de problema e quando o problema aparece só diz não poder fazer nada? Então, pra que a existência de tal órgão, de funcionários que recebem todo mês seus salários que saem do meu bolso através do imposto que pago e sem atraso porque se atrasar o tanto que atrasam pra me atender, ai a coisa fica feia, mas claro, pro meu lado que sou cidadã, que cumpro sempre com meus deveres. Cumpro meus deveres e não querem que cobre meus direitos. É esse meu país, um  país de piada, de mentiras, de desordem...
Onde anda a “Ordem e Progresso” tão bem escritos na Bandeira Nacional?
 
Meu País que tanto amo, mas que ama também me ver em filas. Tudo e pra tudo há filas e filas que não andam. Funcionários que lidam com o povo esquecendo-se que lidam com gente. Caras feias, carrancas que só faltam mesmo sair mordendo os que conseguem chegar ao balcão.
Um país movido pela lentidão, de trabalhadores que não gostam de trabalhar, querem empregos que não exija esforço, nem físico nem mental, porque pensar também cansa.
 
E viva o feriadão! Viva o futebol e o samba! Viva a eleição mesmo quando essa não nos dá opções, ou se vota no ruim ou se vota no outro ruim. Por mais que estudemos, não conseguimos achar o bom.
Meu país é lindo, um país que gera vida, um país tão colorido que até o Collor foi eleito. Um país alegre e festivo, prova disso está lá nosso querido Clodovil, com todo seu figurino esplendoroso.
 
O sol nasceu para todos, mas aqui no meu país andam querendo esconder até mesmo o sol e se o povo bobear, vai ter é que pagar pra poder ver a cara desse sol, que assim como a nossa Bandeira, mostra em sua cor o muito da riqueza que já perdemos.
 
Sou Brasil, e me orgulho disso. Amo meu país, sou verde e amarelo de alma e espero, metendo a mão na massa,  poder ver ainda nessa vida, o berço esplêndido que canta meu hino, desocupado pelos que até então nele descansam descaradamente.
 
Sei onde meu burro foi amarrado, mas sei também que posso levá-lo para outra direção. A hora é agora, hora de acordarmos, arregalarmos os olhos e, assim como cumprimos com nossos deveres de cidadãos, cobrarmos também nossos direitos. Saúde, educação e tudo mais que nos foi prometido nas campanhas eleitorais e que faz de nós seres humanos dignos e conscientes para exercermos a cidadania que com certeza, nos dará um mundo muito melhor.


Aisha
Enviado por Aisha em 18/10/2006
Código do texto: T267791
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Aisha
Jundiaí - São Paulo - Brasil, 50 anos
791 textos (35174 leituras)
1 e-livros (57 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 12:29)
Aisha