Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DIÁLOGOS COM IONESCO


Tento fugir das últimas apresentações no refúgio da biblioteca. Na estante um livro me chama a atenção: Diálogos com Ionesco de Claude Bonnefoy. Logo ao abrir o exemplar, reencontro uma lembrança da infância. As noites em que acompanhei meu pai na livraria Tempos Modernos no Rio de Janeiro. Por ironia, a livraria sucumbiu à modernidade e sobreviveu apenas na etiqueta pregada à contra-capa do livro publicado em 1970.
A entrevista com o autor de A Cantora Careca, As Cadeiras e O Rinoceronte, um dos precursores do teatro do absurdo, torna-se imprescindível para compreender os paralelos entre a ficção e a realidade. É necessário reconhecer o que impulsionou o homem a escrever peças tão radicais, com sentimentos que muitas vezes nos prendem na solidão de Bérenger que mantém a humanidade em uma sociedade de rinocerontes. Uma metáfora universal que pode ser relembrada e apropriada em momentos de lucidez quando paixões exacerbadas ou pessimismos arrebanhados transformam os homens em “rinocerontes”.
O livro é dividido em quatro capítulos: a descoberta, a criação, os temas e hoje e amanhã. O autor dramático que revolucionou o teatro expõe a sua infância nas descobertas da morte, na solidão da mãe, na liberdade do campo, na impressão do exílio... Discorre sobre o acaso e como fazemos algo deste acaso. A vida é uma contínua construção e, como no teatro, é impossível dar-lhe um final fictício.
As superfícies lamacentas da infância são cenários de muitas de suas obras literárias. A falta de sentido da condição humana, a incapacidade de comunicação e o desespero do homem contemporâneo são os temas de suas criações mais baseadas no absurdo do que no significado... Contudo, com o pensamento cadenciado, Ionesco afirma que as estações são cíclicas, existe a luz e o solo também é dominado pela primavera.
Sua biografia talvez justifique o porquê de a solidão ser uma sensação recorrente em suas obras, contudo surpreende ao afirmar: “Sou pela solidão. Dizem que meu teatro é uma queixa do homem solitário que não se pode comunicar com os outros. Nada disso. A comunicação é fácil. O homem não é jamais solitário e se é infeliz é porque não está jamais sozinho”.
A realidade recorta as criações oníricas, as cadeias vazias dão espaço a novos personagens e um histrião ganha a cena com mecanismos teatrais. Uma montagem renovada do absurdo que envolve as sociedades e que distorce os personagens com novas máscaras.
O primeiro rinoceronte? Um palco de cadeiras? Uma multidão de rinocerontes? O suicídio do casal de velhos?
A platéia, dividida entre a alienação e o desespero, assiste ao espetáculo. Sensação de vazio. Solidão. Parece um pesadelo sem solução, a desconstrução de um sonho amadurecido, a perda absoluta de significação... Ionesco novamente desafia: “O assombro é esse estado de espírito em que uma certa consciência é destruída, ou uma outra consciência aparece ou está prestes a aparecer ou ainda não apareceu.”
Quando questionado sobre a situação teatral ideal de encontrar o ator no espectador, Ionesco dá uma nova significação ao teatro: “O teatro é o homem que se dá em espetáculo a si próprio.”
Absurdo? Encerro a leitura da entrevista novamente encarcerada no enredo das apresentações contemporâneas, com a impressão de estar num pesadelo sem coerência, diante de um drama absurdo, com falas contraditórias que não sinalizam um desfecho marcado pela esperança dos solos cicatrizados das primaveras.
Risos, apatia, comoção... Dependendo do andamento dos fatos, sentimos a comicidade ou a tragédia da realidade... A metamorfose gloriosa de nossas percepções amadurecidas só ocorrerá quando focarem as verdades universais e não restarem limitadas às confissões pessoais, aos espetaculares buracos da fechadura.
Helena Sut
Enviado por Helena Sut em 22/06/2005
Código do texto: T26827
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Sut
Curitiba - Paraná - Brasil, 47 anos
614 textos (789979 leituras)
2 áudios (1258 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 19:58)
Helena Sut

Site do Escritor