Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MONOCULTURA DE SONHOS


O calor invade a estrada. O asfalto queima enquanto penetra entre os montes desnudos no vale do Paraíba. A exploração do café dos áureos tempos abandonou terras inférteis vulneráveis aos olhares apressados repletos de origens e destinos. Raízes de famílias tradicionais ressecaram as possibilidades do vasto território na realização de um presente distante.
O viajante se deixa aprisionar na repetida paisagem... Tédio. O trajeto parece não ter fim, retratado na desolada geografia, à margem da história de colonização e desenvolvimento. Algumas tentativas de reflorestamento são oásis no deserto de cores esmaecidas sob um sol escaldante...
A importância do período do café. A possibilidade de cultivar a semente lançada nas terras preenchidas de escravidão e poder. Aproprio-me da metáfora para dar significado à cafeína da vida. O contínuo despertar para um novo dia com as expectativas renovadas em novos brilhos. Monocultura de sonhos... Períodos férteis para a plantação e a colheita, repetição da plantação nos áureos períodos da juventude. O corpo na plenitude, imerso na beleza dos instantes, deixa sugar do território todo o alimento como se o presente se transformasse na eternidade.
Novos sonhos, novas colheitas... As sementes lançadas no chão já não amadurecem em novos frutos, apodrecem na superfície sem conseguir aprofundar a essência do que está sendo degustado... O fluxo incessante da estrada ainda penetra as carnes desnudas. O corpo ressecado nas erosões do tempo, nas finitudes dos sonhos, é esquecido à margem dos trajetos para os distantes e indiferentes vales férteis. A alma enterrada sob as colheitas passadas é a lembrança perdida de uma esperança sem epitáfio. A impossibilidade redesenhando a geografia. Fissuras de um tardio erotismo, rugas que emolduram um olhar sem brilho...
Além do horizonte, o florescimento virginal, úmido e selvagem é cortado pela árida paisagem de um espelho futuro. Vaticínio de qualquer monocultura, percepção extemporânea do empobrecimento do próprio solo.
Helena Sut
Enviado por Helena Sut em 23/06/2005
Código do texto: T27013
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Sut
Curitiba - Paraná - Brasil, 47 anos
614 textos (790248 leituras)
2 áudios (1258 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 00:28)
Helena Sut

Site do Escritor