Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

BINGO! crônica de uma crise esquecida


Crônica de uma crise esquecida

Surpreendo-me com as notícias da primeira página do jornal. A foto do bispo ilustra a matéria sobre seu afastamento da representação da bancada evangélica no Congresso pelo suposto envolvimento com um ex-assessor do governo. Ao lado, a figura solitária do representante do Governo, sobreposta a sua equipe, ilustra a manchete do jantar organizado pelo alto escalão do governo para dar apoio ao assessorado e dispor sobre estratégias de dispersão da crise.
Decisões adotadas no calor da repercussão de uma grave denúncia...
Perco-me nas notícias sem encontrar o elo de convergência. O assessor exonerado é o mesmo, os atos praticados estão publicados nos meios de grande circulação e duas pessoas públicas, representantes dos poderes religiosos e políticos, são tratadas de forma distintas por seus superiores e pela opinião pública.
Sem me aprofundar muito no fato, percebo o julgamento sumário a que o homem de Deus foi submetido: seu envolvimento é motivo suficiente para estilhaçar a representação divina. O afastamento serve como exemplo de ética e disciplina dos corpos religiosos. Um aviso às demais ovelhas do rebanho...
Fora do jogo por desatenção!
Enquanto o ministro é aconselhado a fingir que não foi com ele e permanecer no silêncio dos poderosos, sem justificativas ou discursos emocionados, articulando as alianças possíveis para o esquecimento. Uma postura de força de um pastor experiente...
Cartela nova... O jogo continua!
As cúpulas se reúnem em julgamentos secretos enquanto os leitores ficam reféns das notícias veiculadas e do grande sentimento de ignorância e de impotência. Desisto de entender...
Giro a roleta... Sou sorteada com o prazer de um bom livro. Começo a ler “Mulher de pedra” do escritor paquistanês Tariq Ali e sou irremediavelmente conquistada logo na primeira frase “Os mitos são sempre mais poderosos que a verdade nas histórias das famílias.”
A ficção preenche de cores o anoitecer de um dia útil. O declínio do Império Otomano e as confissões das mulheres aos pés da estátua, seus amores e amarguras, esperanças e desilusões, são costurados com clareza. A narrativa é envolvente... Viajo nos capítulos, criando uma nova perspectiva na analogia entre a decadência de um patriarca e de um império.
Giro a roleta... Sonho com a sorte de novos números.  Marco com feijões as palavras libertadas nos giros aleatórios do globo na tentativa de criar fortes raízes.
Fecho o livro no amanhecer de um romance concluído, dividida entre a vasta experiência literária e o desconhecimento real. As sombras de meus mitos ganham novos formatos, esculpidos nos terrenos rochosos da governabilidade... Busco uma estátua que possa ouvir minha indignação, libertar-me da angústia do desconhecimento, mas... As palavras truncadas das manchetes do jornal insistem em reproduzir o que não entendo: conversas telefônicas, campanhas eleitorais, acordos partidários, reações do “mercado”...
Bingo! A literatura preenche as lacunas da realidade: “Os mitos são sempre mais poderosos que a verdade na história...”
Helena Sut
Enviado por Helena Sut em 23/06/2005
Código do texto: T27102
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Sut
Curitiba - Paraná - Brasil, 47 anos
614 textos (790212 leituras)
2 áudios (1258 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 05:02)
Helena Sut

Site do Escritor