Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

"No meu tempo"

Romeu Prisco
 
Cada vez é mais comum se ouvir essa expressão saíndo da boca de jovens, assim considerados, no caso, aqueles entre 15 e 20 anos de idade, enquanto "antigamente" ela era reservada para as pessoas mais velhas.
 
Via de regra, a expresasão vem acompanhada de uma certa nostalgia, a demonstrar que, para quem a pronuncia, "no seu tempo", as coisas, principalmente o comportamento e as atitudes humanas,  eram melhores, mais educadas, mais respeitosas, menos desonestas, menos violentas e menos agressivas do que atualmente.
 
Então, quando pessoas na flor da mocidade se referem, suspirando, aos seus passados, o que isso significa ? Antes de responder, permitam-me fazer algumas colocações.
 
"No meu tempo", um beijo dado na boca, em público, era passível de caracterizar atentado ao pudor. Hoje, o que se vê, são beijos e "amassos" dados em público, até por indivíduos do mesmo sexo, sem o menor constrangimento.
 
"No meu tempo", namorados de 15 a 20 anos de idade não dormiam juntos nas casas paternas e nem mesmo nas casas não-paternas. Hoje, quando eles fazem isso, os pais, se não aprovam, também não desaprovam e menos ainda conseguem educar seus filhos simplesmente com um "olhar".
 
"No meu tempo", era proibido dirigir um veículo automotor em trajes sumários e descalço. Hoje, principalmente motoristas de transportes pesados, dirigem seus veículos nas estradas usando apenas uma bermuda e calçando sandálias.
 
"No meu tempo", sacerdotes e militares desfilavam pelas ruas vestindo, orgulhosos, seus trajes típicos. Hoje, sacerdotes e militares se misturam à massa anônima, não sendo de se estranhar se, de soslaio, ainda praticarem alguns atos que, devidamente "paramentados", jamais praticariam.
 
Agora, respondendo à pergunta. Para mim, isso significa que os hábitos, usos e costumes estão se deteriorando mais rapidamente. Às vezes, da noite para o dia. "No meu tempo", a evolução das coisas, tanto para melhor, como para pior, era mais lenta. O telefone celular de hoje, equipado com recursos antes nunca imaginados, amanhã será descartável. A corrupção de hoje, que causa um rombo homérico no erário e deixa todos boquiabertos, amanhã, diante de outra, será café pequeno. O rigor da lei, de hoje, tende a desaparecer, para que, amanhã, se concedam mais benefícios e privilégios a quem não merece. E assim sucessivamente...
 
Bem, acho que posso ficar por aqui, tentando, doravante, pensar somente no futuro, porque, afinal, é lá que vou viver o resto dos meus dias.

--------------------------------------------------------------------------------

Respeite os direitos autorais.

Visite:

www.lunaeamigos.com.br/prisco/prisco.htm

www.recantodasletras.com.br/autores/romeuprisco
Romeu Prisco
Enviado por Romeu Prisco em 24/10/2006
Código do texto: T272156

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Romeu Prisco
São Paulo - São Paulo - Brasil
142 textos (31846 leituras)
9 áudios (4848 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 16:19)
Romeu Prisco