Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Rei Arthur na Asa Norte

Abrir os olhos e tentar exercer um pouco da cidadania que nos resta. Essa foi a primeira frase que me veio a cabeça quando acordei nessa  manhã do dia 30. É impressionante como acordamos com uma ressaca. Ressaca de tanto esperar, de ter expectativas, de sonhar com um futuro promissor para a minha nação.
 
Temos mais quatro anos de descaso, falta de moral e ética zero pela frente. Será que é tão difícil enxergar... ? Mais uma vez, entregamos nossas vidas nas mãos de tiranos inescrupulosos, que roubam e se fazem de vitimas. A omissão que diz não saber de  nada, não ter visto ou ouvido nada.
 
Ora, estaríamos nós diante de um pobre homem de coração puro e fome de justiça, um rei Arthur...que só traz em si o desejo de ver seu povo feliz e vivendo com dignidade ??? Estaríamos nós diante do mais novo Robin Hood? Um idealista que tira dos ricos e dá aos pobres. Em pleno século XXI, estaríamos assistindo a um remake mal feito de Superman ? Um só homem de coração puro e superpoderes poderia salvar Gotham City do mal.
 
Meus caros "companheiros", o que se vê hoje no comando de nossa nação é um mago das palavras, que domina  o cinismo e manipula o seu povo simples, pobre, sem comida, sem escola. Um bruxo, dos mais esdrúxulos, datado da Idade Média; pelo menos é de lá que traz suas idéias retrógradas, ultrapassadas. Um Merlin às avessas, que quer sugar de seu povo o que ele ainda pode lhe dar de lealdade e amor incondicional. Um anjo caído; que caiu do nada e de cordeiro recobriu sua pele de lobo; faminto, ávido por poder e riqueza.
 
O que vejo ao acordar e dar conta de mim, recobrar os sentidos novamente é um povo carente de ídolos, de heróis. Um povo que se vê espelhado na imagem patética de um homem que, ao longo de uma vida de luta e  de pobreza; ganha voz , espaço, poder e, obviamente, muito dinheiro. Então, quando pôde retribuir, quando teve a chance de fazer alguma coisa pelo povo que lhe deu a chance de chegar ao topo; ele esfaqueia seus compatriotas um a um pelas costas...roubando, dissimulando, distorcendo fatos, inventando uma outra realidade. A realidade de seus "companheiros"; a realidade de cuecas cheias de dinheiro, de mensalistas e seus discursos inflamados, máfias e mais máfias, golpes e escândalos. A cascata da casa da Dinda ??? Quem se lembra dela? Quanto foi que ela  custou mesmo?
 
O que vimos recentemente no nosso Brasil foram sim; cascatas e mais cascatas de milhões de reais indo pelo ralo. O dinheiro do povo sendo esbanjado para  matar a fome de caviar dos nossos governantes, para pagar a campanha milionária que colocou a matilha no poder novamente.

Meus caros “companheiros”; é com pesar imenso que encerro essa prosa. Minhas palavras jogadas ao vento hão de tocar corações e alertar mentes distraídas. Não se deixem dopar pelos ópios vindos dos nossos ditadores, não se deixem calar pelos avisos subliminares que nossos governantes mandam através de mídias impressas, ou não. Não nos deixemos mais enganar por falsas promessas, por palavras encantadas e discursos derramados no calor da emoção. A hora de  acordar chegou. Que nos próximos quatro anos tenhamos olhos atentos para enxergar, línguas afiadas para denunciar, ouvidos aguçados para melhor ouvir e a mente desperta para melhor pensar. O que será da vovozinha  se ela não ficar esperta ... ???
 
Mari Mérola
Enviado por Mari Mérola em 31/10/2006
Reeditado em 31/10/2006
Código do texto: T278035
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Mari Mérola
São Paulo - São Paulo - Brasil
29 textos (2260 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 22:26)
Mari Mérola