Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A MÁQUINA DE LAVAR

Nunca imaginei que fazer o correto dava tanta "dor de cabeça".
Após anos com minha máquina de lavar roupas "quebrada", ou melhor, funcionando de maneira precária, tipo, um dia ela lavava a roupa mas não centrifugava, no outro enchia de água até transbordar, em outro ela só centrifugava, e por mais que eu reclamasse, acabava lavando toda a roupa no tanque mesmo.
Bom voltando ao meu relato, após anos lavando a roupa no tanque, surgiu a oportunidade de adquirir uma lavadora de roupas novinha.
O sonho de consumo de toda "dona de casa", embora a maioria de nós faça uma dupla jornada, não sendo mais considerada "dona de casa", mas uma máquina de lavar roupa que funcione, facilita e muito a vida de qualquer um.
A oportunidade surgiu, quando um freguês da oficina do meu marido, ao qual eu darei aqui o nome de "Murilo", não tendo condições de pagar pelo serviço executado do carro dele,  meu marido sugeriu que o pagamento fosse feito através da aquisição de uma lavadora de roupas, a qual ele poderia pagar em "suaves" prestações o valor devido.
Acordo acertado.
O dia da compra.
Fomos a loja do "Walmart" em Itu no dia 05 de fevereiro, um sábado, e lá escolhi uma linda máquina de lavar roupas, toda branquinha, com acessórios modernos, daquelas que quando chega em casa, dá até dó de usar.
O valor devido pelo "Murilo", era de R$ 800,00, e meu "brinquedinho " novo R$ 1.198,00, resultado, acertei de pagar a diferença.
Vendedor solicito, nessas horas eles mais parecem urubus em cima de carniça, nos atendeu prontamente e rapidamente.
Ficha preenchida no nome do "Murilo", condições de pagamento acertadas, endereço de entrega da minha casa, evidente.
Nos dirigimos ao caixa para efetuar o "suposto" pagamento, e voltamos ao vendedor para  a "finalização" da compra.
Pronto, tudo resolvido em menos de meia hora, agora era só aguardar a entrega da "sétima maravilha" em casa no dia 08, terça feira, em horário comercial.
E chega o dia 08, e passa o dia 08, ou melhor o horário comercial, e a minha máquina não vem.
Me senti como uma criança sem o bolo no dia do aniversário.
Como a loja do Walmart, funciona até as 22:00 h., por volta de 19:30 h. fui buscar informação do porque o meu "novo brinquedinho" não havia sido entregue no dia previsto.
Lá na loja, após ser atendida novamente pelo mesmo vendedor, sempre muito prestativo, fui informada que ele, vendedor, não possuía a senha do sistema para que pudesse verificar o porque a máquina não havia sido entregue e pediu que me dirigisse ao SAC, serviço de atendimento ao consumidor, que nada resolveu, e chamou o mesmo vendedor.
Após uma "breve" troca de informações entre responsável pelo SAC e vendedor, cerca de 40 minutos, fui informada pelo "prestativo" vendedor, que ele só poderia verificar o problema no dia seguinte, em horário comercial, mas que logo pela manhã, ele mesmo ligaria para mim me informando o ocorrido, e a solução para o problema.
Voltei para casa, meio que conformada, mas ao mesmo tempo chateada, pois continuava sem "meu sonho de consumo" do momento.
Novo dia, 8:30 h., 9:30 h., 10:00 h., e nada do vendedor me ligar.
Sendo uma pessoa "bem paciente", resolvi comparecer pessoalmente na loja, mesmo porque esses celulares de hoje não são tão confiáveis.
Qual minha surpresa, o vendedor, só iniciaria sua jornada de trabalho após as 15:00 h.
Perfeito, percebi que havia sido induzida a acreditar que não havia motivos para me preocupar, e começava aí uma "troca de informações" intermináveis.
Explica para um vendedor que estava na loja, explica para o responsável do SAC, explica ao gerente de operações, e "bingo", descobriu o suposto problema.
Segundo um outro vendedor, o primeiro vendedor que me atendeu não fez a "finalização" da venda no sistema, coisa simples e rápida, se não fosse o "porem".
Como não foi feita a "finalização", a máquina supostamente não havia sido vendida, e não foi dado baixa no estoque, e quando o segundo vendedor tentou finalizar a venda, o sistema acusou que não havia mais nenhuma máquina daquele modelo, disponível em estoque.
Resultado - "ou você escolhe outro modelo, ou cancela a compra", foi o que ouvi do vendedor.
Perfeito, o que a principio parecia um "sonho", acabava de se tornar um pesadelo.
Cancelar, foi a minha decisão inicial, mas fui informada que o cancelamento levaria uns 30 a 40 dias, já que teria de ser feito o cancelamento das parcelas a serem cobradas do "Murilo".
Foi aí que "caiu a ficha".
Eu teria que cancelar a dívida do "Murilo", e isso criaria outro problema.
Escolher outro modelo.
Autorizado pelo Gerente de Eletros, foi me dado a liberdade de escolher um modelo R$ 100,00 mais caro, mas sem nenhum custo para mim.
Aceitei, embora não fosse a mesma escolhida a principio, mas como diz o ditado "quem não tem cão, caça com gato", e após quase uma hora de negociação, sai da loja com a promessa de que a outra máquina seria entregue na minha casa no dia seguinte.
O dia da entrega.
Por volta das 10:30 h., recebo uma ligação da transportadora, dizendo que o caminhão estava na porta da minha casa para a entrega da máquina.
Perfeito, se não fosse o fato da minha filha ligar logo em seguida, dizendo que estavam em casa, dois funcionários da transportadora, para entregar nada mais nada menos que DUAS máquinas de lavar roupa.
Antes não tinha nenhuma, agora eram duas, piada.
Fui correndo para casa e confirmei a entrega de duas máquinas.
Logo percebi a confusão, quando o funcionário da transportadora me informou que esteve em casa no dia 08, mas que tentou entrar em contato via telefone, e como ninguém atendeu,  ele pensando não haver ninguém em casa, se retirou sem entregar a máquina.
Mas o que ele não sabia, era que o telefone que constava na primeira nota, era do "Murilo", e não o de casa.
Já na segunda nota, eu pedi para colocarem o meu telefone.
Solucionado a confusão, e por eles não serem funcionários do "Walmart",  pedi que descarregassem as duas máquinas em casa, e eu providenciaria a devolução de uma delas, na loja.
Pensei, simples, vou até a loja, converso com o gerente novamente e devolvo a máquina que veio a mais, simples e rápido.
Que ilusão.
De posse das duas notas, fui conversar com o gerente, mas o qual eu havia conversado no dia anterior não estava, era folga dele, então conversei com o segundo vendedor, e com o gerente de plantão.
Pronto, só levar a máquina e devolver, sem problemas.
Ainda me disseram que isso era raro de acontecer, pois nunca saberiam que me haviam entregue duas máquinas, e que somente uma seria cobrada.
Isso eu já imaginava, por isso minha decisão de entregar a máquina na loja, e não de enviar de volta pela transportadora, para que essa máquina simplesmente não se desviasse do seu destino final.
Nesse trajeto todo, descobri que ser correto, fazer o que é certo, dá trabalho e é muito mais demorado do que eu imaginava.
Com a máquina na loja, pedi que me entregassem um comprovante de devolução da mesma, e foi aí que descobri como uma simples declaração pode demorar horas para ser redigida.
Conversa com o "segundo vendedor", conversa com o gerente de plantão, conversa com o encarregado do SAC, conversa com a encarregada administrativa, conversa com outra encarregada não sei de qual setor, explica para outro encarregado, e espera...
E espera...
E espera...
Sinceramente, após mais de duas horas eu já estava quase desistindo de devolver a máquina.
Cheguei a comentar com os funcionários da loja, que achava que era por essa razão, a demora excessiva, que outras pessoas não agiam corretamente.
Depois de quase ter um ataque de nervos com tamanha demora, expliquei para uma "outra encarregada" que tudo o que eu queria era uma declaração simples, do tipo:
"Declaro para os devidos fins que a Sra..... devolveu a máquina..... " assinado e datado, somente isso, e caso fosse muito complicado redigir essa declaração, que eu não me incomodava de levar a máquina de volta para casa.
Fui irônica?
Fui, não aguentava mais tanta demora.
Finalmente a declaração saiu.
Simples, sem "formatação", sem assinatura ou sequer um carimbo.
Pedi que a funcionária assinasse e carimbasse, para que eu pudesse anexar a cópia da nota fiscal que eu já havia me antecipado e tirado.
Após quase três horas, consegui devolver a máquina de lavar roupas que me foi entregue a mais.
Terminado meu calvário...
Mas ficou a lição, agir corretamente, exige tempo e muita paciência.
Regina Guarnieri
Enviado por Regina Guarnieri em 18/02/2011
Código do texto: T2799791

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Regina Guarnieri
Itu - São Paulo - Brasil, 49 anos
227 textos (79497 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/12/14 21:13)
Regina Guarnieri



Rádio Poética