Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

" O que trás saudades "

Quando criança gostava de ir ao campo do “Pó de Arroz”, no São Vicente, para apreciar o espetáculo de futebol do nosso invencível tricolor.Lembro com uma saudade imensa, até a escalação do glorioso “Pó”:

Titulares:  Valdeque, Tota e Abelar Mancebo – Jonair Mandioca, Hereno e Gilberto Pica Fumo  -  Benias, Constantino, Xandoca, Paulinho e Zagalo.
Cascudo:  Guarim, Antonio Tiriça e Chechinha Gabarrento – Tantana, Deó e Lila - Broa, Chiquinho Guimbeiro, Zé Rael, Fisico e  Fizinho Catuá.
Técnico:   Oséias Pedreiro era o técnico. Sempre tinha uma latinha na mão. Gostava de ver o treino comendo formiga tanajura e fumando cigarro “Beverly”

A tática era o 4-2-4 – Esta era a locomotiva de gols.

Este time era invencível, quando enxertado com a Aloísio Munhão e o Afonsão, ambos do Nacional. Goleava ate a seleção Holandesa, Húngara, e até a magnífica seleção de Uganda.

Para manter  a cadencia e a regularidade, esta “Academia de futebol treinava todas as tardes, e todas as tardes lá estava eu para jogar boleba, tampinha e rodar pião.

E eis que aparece ele, alto e sorridente e com a esbelteza do Faquir: Paulinho!
Estava fazendo o aquecimento para o treino. Era uma hora de exercício fisico para ganhar músculos. Ele se exercitava até ficar morgado.

Gostava do seu futebol, lúcido e encantador, e leve. Era um craque exuberante. Foi convidado por muitos times, mas gostava mesmo era do “pó de arroz”. Jogava por fervor à camisa.

O meu amigo Paulinho me causava uma grande preocupação pela sua magreza absoluta:
Às vezes eu me apavorava: E se ele dividir uma bola com o Abelar Mancebo, o Altamirão, ou com o Jonair mandioca, ou o jarbas surdo, aquele caminhão?
Não senhores, Paulinho possuía a elegância dos grandes ídolos do passado, tirava o corpo e deixava a perna, e ao afastar a perna carregava a bola, num drible espetacular. Esvoaçava, transcendia as dimensões quânticas.
Apelidaram aquele drible de o “drible do bode”. Só Paulinho sabia a arte daquele drible.

O campo do “Pó de arroz” ia abaixo. A torcida ia ao extremo delírio. Era a consagração.
Wilson Barros se desesperava com um lenço na mão. Ia à loucura nunca vi ninguém torcer como o Wilson. Sozinho ele fazia uma celebração. Imaginem,com o campo lotado, e o tricolor botando lá dentro?

Apesar da carga de exercícios ano após ano, a musculatura de Paulinho estava no mesmo lugar. Pior: Não estava.
Encabulado, eu ficava contando as minhas bolinhas de gude na beira do campo e observava: Nenhum músculo à vista. Nada que esboçasse alguma protuberância nos lugares reservados aos músculos.

É que não havia matéria orgânica disponível para a formação muscular.
Não sobrava nenhum resíduo para ser transformado pelo organismo, e reciclado para as partes musculatorias.

Um plantel vermicular havia se instalado em todo organismo.
Os vermes,  por sabedoria instintiva de sobrevivência, formaram creio, uma cooperativa deixando o organismo vivo, somente para manter o controle e o deleite da hospedaria, ficando o mínimo na "linfa", o nescessário para a sobrevivencia do meu ídolo.
Como sobrar para a aquisição de massa muscular?
Via a valentia no seu olhar e a determinação em ser forte, mas faltava a vontade política para dialogar com a oposição: Os vermes.

Durante o dia, estava ele entregando cartas na sua bicicleta Phillips, antiga, mas eficiente, e como pedalava o meu camisa l0, um craque de puro sangue, de se respeitar.

Estivemos juntos algum tempo atraz, estava belo e bem disposto, e forte.
È que os vermes já não estavam mais com ele. Teve sorte em identificá-los e puni-los a tempo. Formavam um time do mais alto poder ofensivo de destruição:
Solitária, ameba e xistosa – tricocefalus, giárdia e necator – Strongyloides, trichina, ancilóstomo, oxiúros e lombricóides.

Imagino Paulinho sem aquela fauna invisível, sem aquele exercito segurando os seus passos, as suas arrancadas, os seus dribles “do bode”, maravilhosos?
Seria um Maradona, seria um Beckembauer?
O “galinho” imortal, o Deus Heleno de Freitas?

Que os vermes atrapalharam eu sei. Dr. Manoel não alertava?
Para o cigarro e a lombriga?

Então!


Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 03/11/2006
Reeditado em 16/08/2007
Código do texto: T281416

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jose Balbino de Oliveira
Vitória - Espírito Santo - Brasil
386 textos (177879 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 15:12)

Site do Escritor