Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Climatério não é cemitério

                                    Rosa Pena


Descobri que tinha começado a envelhecer, quando parei de contar jaquetas e passei a ficar preocupada com contagem de plaquetas. No ACDC eu juro que me senti AC. Íntima do HDL e do LDL, Irmãos Metralha que adoram infernizar o coração, quando a gente entra nos “enta”. Tá alto, tá baixo, tá onde?! A nova preocupação não era mais chope com muita pressão, mas ficar com a artéria com pouca pressão. A mesinha de cabeceira deixou de ter porta-retrato, para dar espaço ao Aturgil, Benadril, Caladril, puta que pariu. Quem passou a avisar-me do tempo foi meu joelho: inchou, vem chuva na certa.

No dia em que comprei meu primeiro guarda-chuva foi infernal. O primeiro sutiã é um marco, a primeira sombrinha comprada é um desmarco! Saí da loja totalmente deprê. Numa caminhada, nas férias, quando saquei que o logo ali é longe pra cacete, fiquei perplexa. À vontade de dormir depois do almoço quase todos os dias, a busca do Reniw, Retinil (toma de il novamente, só que agora pra cara, ex-rostinho) é um tapa sem luvas. E os quadris que se alargam? Não tem jeito na cara que segure as cadeiras que disparam. Tinha algumas opções pela frente, a partir da descoberta.

Aposentar o esqueleto e passar a ser uma bondosa senhora que foi uma mulher ardente; tomar banhos de lama rejuvenescedora diariamente e outros recursos como o fio russo, virar mais um clone de botox e silicone, porém cadeiruda, ou encarar abertamente que meu corpo já não obedecia totalmente ao pique da minha mente, que ainda fervia de fantasias, mas não era matéria doente. Apenas não era mais uma adolescente, que vive inconseqüente como eu já vivi, correndo na chuva, e não correndo dela, como agora.
Comecei a repor os hormônios, um make up básico, abracei o diabo e virei escritora. Resolvi escrever uma nova história sem brigar com a idade.
Embaralhei o quebra-cabeça da vida. Fiz do epílogo o prólogo!
Agora, nem eu me agüento! A Vitoriosa do Ivan Lins que se cuide! 
Rosa Pena
Enviado por Rosa Pena em 27/06/2005
Reeditado em 05/12/2009
Código do texto: T28330
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Rosa Pena
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
960 textos (1418178 leituras)
48 áudios (24767 audições)
33 e-livros (29020 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 04:03)
Rosa Pena

Site do Escritor