Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sinopse

Nos becos escuros corro contra o tempo, desde 1985, vivo em um limitado físico, mas a expansão das viagens e idéias ultrapassam qualquer meridiano. Nesses becos encontro de tudo, vez ou outra diminuo a velocidade. Pulso, e num impulso atravesso (mas volto) com a pretensão de não deixar nada pra trás. Defendo ideais, e por isso no caminho tropeço em gangues de mafiosos de todo mundo, subindo várias escadas, contando cada segundo. Se a natureza é quem traduz a vida, sem sentido é se suicidar no tronco de uma árvore, ou se engasgar com um beija-flor. Por mais que pensamos diferente, tem sempre alguém no mundo que pensa como a gente! A velocidade no beco aumeta com a adrenalina, lógico. Eu posso amar facilmente, o problema é o custo-benefício que atrasa (ou acelera, depende da ocasião) a minha passagem pelo beco. Mas é claro que com isso eu também não me importo, afinal eu tenho vários caminhos, os becos se encontram em imagens tridimensionais que me dão uma boa sensação de escolha. O vinho também aquece, faz bem, inversamente proporcional à quantidade. Fica a escolha: Prazer ou velocidade! Neste caso é assim, impreterivelmente. Leio conceitos nos cartazes dos becos, construídos uns pelos mafiosos, outros pelo tempo, e há os que foram construídos ao longo de uma seção de surf onde se podia, uma vez que a densidade do sangue é favorável, guardar no peito mensagens de respeito aliado à busca incansável pelo que pode ser contestável. Continuo correndo no beco, não posso parar, isso significaria o fim, a tão temida morte (vez ou outra não tão temida quanto a vida). É eu sei, relaciono vida à natureza, mas que seja. Como é delicioso temer a natureza, a adrenalina de lutar contra alguém que está do seu lado é inexplicável, é como brincar de empilhar cartas do baralho, você pode montar e ele pode cair, é só montar denovo. O que não pode é deixar o baralho cair no chão molhado de sangue, a carta pesaria mais. E por falar em sangue, sabe o beco? São as veias que estão dentro da gente. Eu parar por aqui poderia significar um entupimento, a menos que eu deite e vá num tobogã onde não se sabe onde vai parar. Tudo bem, eu vou voltar mesmo. Só tome cuidado para não se cortar!
Júnior Leal
Enviado por Júnior Leal em 06/11/2006
Código do texto: T283486

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Júnior Leal
Lagoa Santa - Minas Gerais - Brasil, 31 anos
958 textos (30824 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 04:18)
Júnior Leal