Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Atração fatal


               Era longo o dia da zelosa mãe, Dª Teresinha. Assumia toda a lida doméstica  com alegria e carinho, sem se queixar de cansaço. A roupa da família lavava e passava todos os dias. A casa, embora simples, primava pela limpeza e  bom gosto. E na cozinha, então, com os poucos ingredientes ao seu alcance, fazia mágica, aqueles deliciosos pratos,  com sabor de “quero mais!” Mãe é assim mesmo: a família é a sua vida. Para ver  os filhotes crescerem  saudáveis e felizes, Dª Teresinha sempre caprichou na alimentação do corpo e procurou gravar no coração de cada filho o mapa para  os caminhos do bem,  da verdade, da honestidade.
               Todos os dias, às onze em ponto, o almoço já estava pronto. Ivane, o filho menorzinho, almoçava e, de barriguinha cheia,  sentia-se cheio de energia para levar a marmita ao Tuca, seu irmão, que trabalhava numa indústria pouco distante   de sua  casa. Ivane fazia esta tarefa, não com enfado, pelo contrário,  até com certa satisfação em poder também realizar alguma tarefa  que aliviasse o corre-corre da mãezinha.
               Um dia, estava Ivane na sua sagrada missão, sentindo em suas mãos o calorzinho da marmita, quando, ao encontrar-se numa praça  de  Itaúna,  deparou com  um circo  que  acabara de chegar e principiava a montagem. E não era um circo qualquer, pois  muitas jaulas ali exibiam os animais adestrados. Sua paixão por animais falou mais alto, afinal,  por causa de uma passadinha  rápida só para ver mais de perto  aqueles bichinhos, não  morreria de fome o irmão.
               Sua predileção  pelo primata  babuíno o hipnotizou de tal forma que Ivane esqueceu-se  do irmão e de  tudo; ali, quedou-se a olhar  embevecido para o  macaco. Parece que também o macaco gostou daquele lindo e educado menino. Mas o rápido bote que deu para pegar a marmita das mãos de Ivane, mostrou logo do que gostava o macaco. O babuíno ficou muito eufórico com tão grande mimo. Quem não ficou feliz foi Ivane,  pensando na surra que iria levar de sua mãe. E se as panelas  já estivessem vazias, como fazer nova marmita para o Tuca  que, a essas horas, já devia estar com o estômago roncando de fome?
               Ivane, para se ver livre da surra, poderia  até inventar uma historinha convincente, mas educado para sempre dizer a verdade,  chegou a casa e foi logo debulhando o acontecido. Apanhar não apanhou, mas Dª Teresinha  ficou em apuros para outra marmita organizar. Contudo  mãos de fada e coração de mãe resolvem problemas assim!
                                       
fernanda araujo
Enviado por fernanda araujo em 07/11/2006
Reeditado em 19/08/2011
Código do texto: T284926
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
fernanda araujo
Divinópolis - Minas Gerais - Brasil
1058 textos (204339 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 20:30)
fernanda araujo