Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

POBREZA, SE NÃO MATA, ENGORDA.


No país do idealizado Fome Zero, somos surpreendidos sempre com as metáforas culinárias que recheiam os discursos das autoridades. Talvez a diversidade de especiarias alicerce algumas afirmações gulosas. Quem sabe uma boca cheia de castanhas (as legítimas do Pará) não tenha mais o que fazer...
Notícias alardeiam que os observadores da fome ganharão gordos salários, reportagens focalizam um pacote de farinha, alimento mensal de uma família de retirantes, anúncios convidam para o lançamento de um novo fast food...
Os corpos traçam a geografia da fome. Crianças com enormes barrigas e com os membros raquíticos, adultos carcomidos de cheiros e sabores são presenças constantes nas estatísticas. No país em que se plantando tudo dá, as cestas básicas são extraviadas e alguns moradores padecem de fome. Mas...
Perco o apetite pela untada política. Deixo-me preencher pelo domingo ensolarado e, com um café com creme e um pão de queijo, abro o “Jornal da família” do O Globo. O título e as fotos surpreendem: “Pobreza engorda”.
Os pobres estão engordando mais do que os ricos por causa da baixa escolaridade, vida mais sedentária e alimentação inadequada. As ilustrações são retratos das silhuetas desenhadas nas refeições rápidas da Central do Brasil no Rio de Janeiro.
A matéria continua com as afirmações da professora Rosely Sichieri, especialista em nutrição, na Universidade do Estado do Rio (UERJ): dados de 1996 no Rio de Janeiro mostram que os que afirmaram ter passado fome são mais obesos dos que disseram não ter passado fome no mês anterior; os que passaram fome apresentaram maior deposição de gordura no abdômen, fator de risco para doenças como hipertensão, infarto do miocárdio e diabetes; os alimentos mais baratos são os mais calóricos...
Tantas informações são exauridas nas academias de ginástica superequipadas, nos primaveris desfiles de corpos desenhados e saudáveis das classes mais abastadas, e se perdem na gordura visceral dos que habitam ambientes escassos e sedentários e que não compreendem a dimensão do problema que estoura em seus corpos. O sistema público de saúde não trabalha com a promoção da saúde, limita-se a atender à doença nos ambulatórios disponíveis.
As legendas das fotografias desfilam na reportagem. A empregada doméstica, que trabalha para uma família de vegetarianos, prefere fazer um lanche gostoso, barato e gorduroso numa barraquinha na rua a comer os pratos que prepara no trabalho.
A obesidade é resultante da desinformação. A falta de escolaridade faz do obeso um refém das propagandas de consumo de alimentos calóricos... A notícia converge para a política... Todos somos reféns dos projetos de educação e de saúde a serem implementados...
A matéria encerra na interminável fila de obesos para a realização da cirurgia bariátrica, suas peculiaridades e enfermidades. O menino de 15 anos que não estuda e não sai de casa, pois vive preso aos seus 280 quilos; a dona de casa que não pode andar e lamenta ter perdido a infância do filho... Todos são nomes gravados na lista de espera do hospital público carioca que realiza a cirurgia...
Perco a fome. Deixo a metade do pão de queijo no prato e o café esfriando na caneca. Tento compreender o que meu desjejum representaria de calorias na dieta ideal. Mudo completamente a programação. Abandono o jornal, afinal, a busca de informações pode ser a causa de uma vida sedentária, e vou caminhar no parque, libertar-me do peso da realidade e de algum resíduo de gordura do lanche matinal que, por ventura, tenha se alojado em meu abdômen.
Helena Sut
Enviado por Helena Sut em 28/06/2005
Código do texto: T28604
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Sut
Curitiba - Paraná - Brasil, 47 anos
614 textos (790253 leituras)
2 áudios (1258 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 04:35)
Helena Sut

Site do Escritor