Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CHAMPAGNE (uma lição de vida)

Alguns dias atrás recebi um email de um amigo, enviando uma poesia sua e que estava formatada com música. Tocava um antigo sucesso italiano da década de 60, chamado Champagne, com Peppino di Capri. Foi só começar a escutar e, imediatamente o pensamento se transportou para meus tempos de rapaz, em Salvador – essa música era minha paixão.

A maioria dos bares e boates da época, possuia umas “machines”, envidraçadas e com várias luzes piscantes que, mediante a inserção de uma moeda,  tocavam grandes sucessos musicais através de discos compactos. Explicação para os mais novos: compactos são aqueles filhotes dos LP’s – os famosos “bolachões”.

Eu cursava o “científico” no Colégio Central da Bahia e, algumas vezes por mês – quando sobravam uns “caraminguás” no bolso - freqüentava um desses barzinhos na Av. Sete de Setembro. Após certo tempo de assiduidade no estabelecimento, bastava eu adentrar no bar, e um dos garçons se adiantava:

- Me dá uma ficha aí, quem lá vem o rapaz do Champagne -  berrava para o responsável pelo balcão.

Ele introduzia a ficha  na máquina e, sem que eu pedisse, colocava para tocar Champagne, com Peppino di Capri, é claro. Não era incomum, durante uma noite, eu gastar umas 5 ou 6 fichas – todas com Champagne. Alguns freqüentadores do bar, chegavam a fazer cara de muxoxo com a minha insistência em escutar aquele hino ao amor, em italiano.

Foi lá que conheci a Graça – com o passar do tempo, seria Gracinha. Ela freqüentava aquele, e mais alguns bares da redondeza, oferecendo seus préstimos a homens carentes de sexo e afeto. Era uma mocinha nova – deveria ter seus 23 anos – proveniente do interior da Bahia, e tinha um sorriso franco e uma conversa agradável e inteligente.

Em sendo um estudante secundarista e de família pobre, os meus recursos financeiros eram - na proporção - piores que o PIB do Haiti. Por isso mesmo eu nunca tinha condições para pleitear a prestação de serviços da referida moça de vida difícil.

Numa bela noite, quando o movimento do bar e dela própria, estavam bem fracos, nos sentamos para comentar sobre maiores detalhes das nossas vidas. Ela me falou que seu maior sonho era passar no vestibular da UFBA e, inclusive já estava estudando bastante nas horas vagas. Confessou-me, quase chorosa, que o seu terror era a matemática – tinha horror à matéria e parece que a recíproca era verdadeira.

Quase que despretensiosamente, notamos que poderíamos fazer um escambo de serviços, interessante aos dois. Eu sabia razoavelmente bem matemática e, segundo se dizia no boteco, ela conhecia extremamente bem a arte de proporcionar prazer a um homem na cama. Naquele mesmo dia –escutando Champagne – decidimos implementar a nossa “joint venture” num apartamento de um amigo meu – na verdade, um “muquifo” perto dali.  Ao terminar a noite eu já tinha o meu primeiro débito em conta-corrente com Gracinha.

Foram muitas aulas – de parte a parte – e cumprimos regularmente as nossas obrigações contratuais, até nos afastarmos naturalmente.

Não sei se ela aproveitou tão bem minhas aulas matemática, porém tenho certeza absoluta  que devo ter levado vantagem com aquela parceria pois aprendi muito com os ensinamentos da querida amiga.  Espero, sinceramente, que ela tenha passado no vestibular.
Dionisio Teles
Enviado por Dionisio Teles em 11/11/2006
Reeditado em 13/11/2006
Código do texto: T288455

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Dionisio Teles). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Dionisio Teles
Barueri - São Paulo - Brasil, 64 anos
177 textos (43629 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 02:12)
Dionisio Teles