CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

OS ENCANTOS DA MULHER MINEIRA

Casamento pra mim, nesse momento, é algo tão distante quanto ganhar na Mega-Sena. E por duas vezes. De certeza, apenas uma: Me casarei com uma mineira.

Deus exagerou ao criar as mineiras à sua imagem e semelhança. Dobrou a dose. Ainda tenho lá as minhas dúvidas se são realmente humanas ou se são anjos, anjos de Deus, com intuito de nos levarmos pra junto delas, lá no céu. Não à toa Deus as encravou em Minas Gerais, cercadas por montanhas pra dificultar o acesso de qualquer um. Mas sou capaz de desbravar quantos Everests forem necessários pra estar ao lado delas.

A mineira extravasa amor em amplitude. Só podem ter estudado em colégios diferentes dos que conheço... Não  aprenderam a ser mal educadas. Desconhecem do mal humor. A mineira sempre me recebe com um sorriso, e o sorriso de uma mineira é o arco-íris do meu domingo, o calabouço das minhas trstezas. Elas sorriem com os olhos, com a testa, ao mesmo momento que dão uma ajeitadinha no cabelo e deixam transparecer um jeitinho tão tímido que contrasta com todo aquele amor despejado já nos primeiros momentos. Como se ainda não fosse suficiente, nos perguntam da maneira mais doce do mundo: "Cê tá jóia?".Jóia é você, mulher mineira. Joía raríssima.

E a maneira como elas falam? A mineira não fala. Ela canta. Canções de amor, baixinho, no pé do ouvido. A mineira quando fala, me pega no colo. Me nina. E eu faço corpo mole, deixo levar. Sou capaz de ser o mais compreensivo e atento ouvinte de uma mineira, só pra admirar o jeito charmoso como diminuem as palavras. Nada é mais bonito.

A mineira nasceu pra ser cortejada. Cortejada de amor, porque nos despejam todo esse amor sem mesmo saberem. Elas são altruístas. Nos dão carinho tão despretenciosamente quanto criança que planta pé-de-feijão em algodão. Nos oferecem extremado afeto de maneira tão simples como ajeitam uma flor nos cabelos. A mineira só pode ter nascido com dose extra de amor... Porque todo o simples e irreparável é gritante e inexplicavelmente charmoso quando nelas. São donas de ternuras delicadas, por vezes inintendível, mas inerentes à sua beleza, aquela beleza sabida de que a natureza foi a sua melhor amiga.

Há quem diga que sejam ciumentas. Eu quero. Quero a mineira mais ciumenta desse mundo. Porque ciúme é amor demais. Só tem ciúme quem quer guardar, quem deseja levar pro resto da vida. Quero a mais ciumenta até meus últimos dias.

No amor, a mineira é princesa. Não dão asas à nossa imaginação, elas próprias nos levam juntos pra voar.  São donas de si, decididas. Não escondem amor. A mineira ama com autonomia. Ama sem pressa porque deseja intensidade. Antes, beija com o nariz. Beija através do olhar. Beija com todo o tempero mineiro. Beija devagar e bonito, numa espécie de feitiço. Beija carregada de ternura.

O sorriso de uma mineira já é motivo de alegria. Choro junto se a vir chorar. A mulher mineira nunca será definida por adjetivos; será sempre pleonasmo.

Quero me sentir mais próximo de Deus e receber amor em exagero. Quero uma mineira pra toda a minha vida.



Mais no meu blog: www.lealbrunno.blogspot.com
Brunno Leal
Enviado por Brunno Leal em 17/04/2011
Código do texto: T2915093

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Brunno Leal
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 29 anos
71 textos (5517 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/07/14 22:29)