Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Trovão Fla!!!

          Trovão. Chuva iminente. Quarenta e oito minutos do segundo tempo. Arquibancada lotada. O torcedor olha para o céu. Prenúncio? Talvez. No campo, Pataca, o xodó da torcida não desencanta. Uma final suada para este jovem time do Flamengo. É o segundo jogo. O primeiro, terminado em zero a zero, foi uma guerra tática. O Fluminense é um melhor time, tecnicamente falando. Na garra e na raça o Flamengo equilibra tudo. O jogo está perto do fim. A torcida do flu já comemora. Afinal, um novo zero a zero lhes presenteia com o título. Novo trovão. O torcedor, aquele, olha de novo para o céu e sente um calafrio. No campo, ataque do flu. Cruzamento na área do flamengo. Cabeceio de André, o artilheiro tricolor. Desespero rubro-negro.Euforia tricolor. Bola na cabeça de André é “estopa”.Vagner, o Barreira-Humana, o melhor goleiro do campeonato se estica todo e faz a defesa. A torcida do Flamengo grita e incentiva o time a sair no contra ataque. Inflado por sua torcida, é isto que o time faz em campo. O treinador tricolor grita para seu time parar o ataque de qualquer maneira. Em vão. Em poucos segundos a alegria muda de lado. Após a defesa de Vagner, Tonhão, o “Colosso”, o “xerife” da zaga do fla recebe a bola e lança em profundidade para Zé Carlos, o lateral direito. O “The Flash” foge da falta de seu marcador numa velocidade nunca antes atingida por ele. É a raça rubro negra. O zagueiro que defende pela esquerda sai para tentar deter o ataque – que pode ser o último lance do jogo. O juiz olha o relógio. Pode ser agora. Ainda não. E o zagueiro saindo? E o “The Flash” em alta velocidade? O zagueiro consegue interceptar Zé Carlos. Tarde demais. A bola sai caprichosa de seus pés num passe cruzado em direção ao buraco deixado na zaga. Pataca corre ao encontro da bola. O goleiro sai. Poucos segundos os separam da glória. Do atacante? Do goleiro? Do fla? Do flu? Ai Jesus! Pataca chega primeiro. O goleiro não pára. Vai tentar o pênalti. Pataca enche o pé. Na veia. O goleiro o atinge. Pênalti. Mas, a bola já partiu com endereço certo. Na gíria do futebol, pênalti e gol. É gol!!! Gooooooooooooooooooooooooooooooolllllll!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
O Maracanã vem a baixo. A alegria tricolor vira tristeza. A esperança rubro negra explode em felicidade. É o gol do título. Do título. Da raça. Da garra. Da mística. Da camisa. Enfim, um título com cara de Flamengo.




Mengão na final da Libertadores

Léo Rodrigues
Enviado por Léo Rodrigues em 21/11/2006
Reeditado em 05/10/2011
Código do texto: T297648
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para o site "www.leorodrigues.recantodasletras.com.br" e entre em contato comigo pelo e-mail contido no mesmo site.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Léo Rodrigues
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 39 anos
149 textos (37633 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 00:35)
Léo Rodrigues

Site do Escritor