Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Liberdade Virtual

Será que políticos temem mesmo movimentos virtuais? Bom seria se temessem, mas tenho minhas dúvidas cá, ainda mais em países em que ‘punição’ é coisa rara. Aliás, seriam políticos ainda capazes de se constranger?

Cidadãos do mundo inteiro têm, na rede, uma forma de criticar e impor a participação nas decisões políticas, queiram os governos ou não. E isso se deve, boa parte, ao fenômeno das redes sociais. Dentre movimentos que partiram da esfera virtual, dizem os jornais, estão as revoltas em cadeia no mundo árabe, o povo indo às ruas — na Grécia, Espanha e Portugal, por exemplo —, protestos contra os desmandos de seus governos, contra o sistema financeiro atual, no qual avaliações duvidosas podem destruir num dia a estrutura de todo um país.

Alías, no tocante a crises financeiras, rola à boca pequena que três grandes grupos americanos estariam empenhados em acabar com a União Européia, país por país, num efeito dominó. Soa a teoria conspiratória, mas não duvido de nada. Basta a palavra de um só ‘poderoso’ para abalar a credibilidade financeira de todo um país, ou vários, e isso o mundo já viu passar.

Socialistas perderam as eleições na Espanha, alguns ditadores árabes estão na corda bamba, protestos na Grécia e em Portugal não saíram ainda da pauta dos jornais. E no Brasil, é político tendo que explicar origem duvidosa de patrimônio e é a greve dos professores, que não sei em que pé está, e depois de ver a repercussão do depoimento da professora Amanda Gurgel (1) espero que tenha um bom resultado desta vez. Desde pequena, vejo e ouço falar em greve de professores brasileiros. Já sofri com várias delas e eles têm todo o direito de reclamar! As reivindicações são quase sempre as mesmas. Entra governo, sai governo e quase nada muda. Será diferente desta vez? Espero que sim.

Tenho a impressão de que as pessoas estão iradas, cansadas de sempre terem que pagar a conta das más administrações, de sustentar políticos que não têm uma mínima noção do que é responsabilidade fiscal, social, o que seja, e ainda debocham dos cidadãos que lhes pagam altos salários pela ‘diz-que’ representação.

Como disse um colunista da Folha de São Paulo (2), embora num outro contexto, em tempos de tanta interatividade o cala a boca já morreu. A exemplo da censura que ocorre na China e no Iran, a pergunta que me ocorre agora é: até que ponto permitirão a continuidade desta nossa imensa liberdade virtual? Como será que tentarão restringí-la, desacreditá-la, torná-la banal?

Fazer com que compremos a idéia de que protestos não levam a nada ou a de que certas campanhas ficam mesmo só no virtual já seria uma estratégia, não?




(1) Folha Online – 23/05/2011
Vídeo de professora criticando educação foi visto por 1,5 milhão
http://www1.folha.uol.com.br/saber/919928-video-de-professora-criticando-educacao-foi-visto-por-15-milhao.shtml

(2) Luiz Caversan - Cala boca já morreu – 21.05.2011 – Folha Online
http://www1.folha.uol.com.br/colunas/luizcaversan/918878-cala-boca-ja-morreu.shtml




---------------------------------------------------------------------
Não sigo o novo acordo ortográfico em Língua Portuguesa. Se deseja reproduzir este texto, no todo ou em parte, favor respeitar a licença de uso e os direitos autorais. Muito obrigada.
Helena Frenzel
Enviado por Helena Frenzel em 03/06/2011
Código do texto: T3011376
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Favor informar o nome da autora. Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Frenzel
Alemanha
487 textos (36091 leituras)
47 áudios (2336 audições)
45 e-livros (1920 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/09/17 01:45)
Helena Frenzel