Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Your latest Trick

Sim, essa era a música , o solo de guitarra tornava-a inesquecível, quase antológica.
Ela tocara a primeira vez que foram juntos para a cama no apartamentinho de três cômodos de fundos que ela alugava.
Chegaram quase sem roupa tal era a ânsia de se terem, iam com a pressa dos amantes de primeira viagem, com a urgência que só o tesão tem, com a voracidade arquetípica dos caçadores de sentimentos ...
Aquela noite era totalmente “unforgettable”, a troca de beijos e carícias rapidamente deu lugar aos movimentos rítmicos e coreografias do sexo. E tudo fluiu tão perfeitamente que quase podia se ouvir aplausos no final.
A calmaria pós-prazer cheia de beijos carinhosos e corpos abraçados foi um justíssimo prêmio a irrepreensível performance de ambos.
Muitas noites seguiram-se a essa, mas para ele, a emoção ia reduzindo, quase imperceptivelmente, mas ia, o que era incontestável lentamente transformava-se numa incerteza.
Seu quadro perfeito de felicidade vinha esmaecendo nas cores, tornando a imagem difusa e ele começava a achar defeitos nele.
Agora, aqui estava relembrando a primeira vez e achando que essa era a última, sua última chance ...
Ele novamente pensou em conversar com ela, a cena aqui descrita era repetição “si ne qua non” das últimas noites e ele já nem lembrava da cena original, mas não suportaria o choro ou as perguntas que ela faria, ele não estava embasado em razões palpáveis para explicar nada, ele apenas não queria mais.
Ela deveria entender isso. Como as mulheres são difíceis !
Olhou para ela, não parecia a mesma mulher-deusa que ele moveu céus e terras para conquistar, parecia tão comum.
Agora ele podia entender quando diziam que a divindade era algo necessariamente cultuado à distância, a proximidade trazia o contato e as máscaras caiam, mostrando todas as faces, até e principalmente as que gostamos de esconder.
Zeus vinha fazer suas visitas furtivas aos mortais, mas morava no Olimpo e jamais dormia na Terra.
Ela abriu um olho e lhe presenteou com um genuíno sorriso.
Ele não o recebeu com o mesmo carinho que foi dado, mas contas de amor sempre dão errado mesmo.
O sorriso desarmou suas palavras e sua “última noite” ficou para amanhã, depois ou quem sabe um dia...
Uma sobrevida patética de mais uma pseudo-vida.
Ele largou seu copo de Whisky pela metade e deitou ao seu lado, fechou os olhos e tentou dormir pensando em sonhar com uma persona sua mais decidida, que realmente tentasse viver, mesmo que uma vida gerada num sonho que podia ser mais palpável do que essa realidade maquiada e cínica.

Leonardo Andrade
Leonardo Andrade
Enviado por Leonardo Andrade em 27/11/2006
Código do texto: T302377

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (citar o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Leonardo Andrade
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
1568 textos (71178 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 02:52)
Leonardo Andrade