Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Uma estação chamada AMOR

O Amor é a estação final.
O nosso final de linha, nosso objectivo máximo, é onde sonhamos estar e quando chegamos queremos fincar raízes e nunca mais partir.
Para chegarmos a ela temos necessariamente que passar por várias paradas intermediárias como paixão, desejo, atração, tesão, amizade, entre outras.
São paradas para descanso, reabastecimento e adquirir experiência (leia-se bagagem), uma espécie de preparação para o destino final, para o clímax. Não precisamos saltar em todas, podemos até pular algumas, desde que estajamos cientes do que elas nos oferecem e nos sintamos confortáveis com o que temos em estoque. O que não podemos é nos atrasar nas saídas , pois a perda do trem pode ser irreversível, não há novas composições marcadas nem prazos para isso.
É necessário partir, pois por mais conforto e comodidade que as estações nos ofereçam, elas só podem nos oferecer uma parte desse todo chamado amor, deste são apenas uma peça de um gigantesco quebra-cabeças.
Como toda regra tem sua exceção, existe o honroso caso da parada amizade, nesta podemos decidir permanecer e abrirmos mão de prosseguir a viagem, optando por vivermos uma relação diferente, com menos glamour, mas igualmente importante e por vezes até mais íntima e com menos espinhos, há quem chame a amizade de amor desapegado... É uma opção possível. As estações intermediárias, no fundo podem se tornar armadilhas, pois travestidas de amor podem nos enganar e até exercerem provisoriamente sua função, mas nenhuma delas tem força ou competência para manter essa encenação por muito tempo, com a queda das cortinas, nós nos levantamos da posição passiva da platéia e saímos para uma rua vazia e sem saída. Quando o seu trem passar, não o perca, embarque, aproveite as estações, aprenda ao longo da viagem e na estação final salte de corpo e alma disposto a começar a viver o que de melhor a vida pode te proporcionar.
Boa viagem !!!

Nota do autor : Claro que me refiro no texto acima a cada uma das supostas histórias de amor que vivemos, pois quando em uma delas decidimos "abortar a missão" permanecendo em uma estação, depois de um tempo pegamos o trem de retorno e voltamos a estação inicial em busca de uma nova composição com destino a estação final. Isso ocorre porque nenhuma das estações intermediárias "vende" passagem de ida, se algum cambista aparecer lhe oferecendo bilhete, ignore-o, é falso !

Leonardo Andrade
Leonardo Andrade
Enviado por Leonardo Andrade em 27/11/2006
Código do texto: T302386

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (citar o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Leonardo Andrade
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
1568 textos (71179 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 22:48)
Leonardo Andrade