Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Estacionamento perpendicular

O que faz um escritor escrever? Impulso, inspiração, dom, ambiente onde vive, onde está? Tédio? O âmgulo de um edifício? Uma bandeira rasgada que tremula com o vento? A árvore no meio fio procurando a floresta perdida? O vai e vem de humanos? Seres que às vezes se opõem à beleza da tarde?

Agonia das horas. O tempo tem dessas coisas: nasce, cresce e morre em um só dia, todos os dias. Caso fosse eu, enjoava. Nunca fui dada a rotinas.

Tem um aleijado andando com muletas em minha frente. Fica ali o dia inteiro, disseram.Ele é feio, mas sorri para as mulheres que passam, e dentro da máscara horrenda os olhos brilham de desejo. É asqueroso! Mas existe.

O quê? Queria que o muldurasse aspecto divinal? Deixemos isso aos poetas que enxergam beleza em tudo. Eles vêem o avesso, do avesso do avesso. Nesse momento só consigo enxergar o avesso.

As horas continuam marcando passo, "o tempo não pára" como disse Cazuza, maravilhoso. Existe na vida um por que e um para quê. A humanidade pós Cazuza já desfruta o para quê. Todos os poetas possuem dentro de si o caos para poderem organizar as palavras e as canções.

O tempo não pára e é isso que angustia, uma vez que esse mesmo tempo nos dá a esperança que amanhã será melhor. Para mim, para o aleijado feio e pobre que continua atrás das mulheres. Também não sei por que estou escrevendo isso. São 13 horas. 36 graus. E tudo vai bem. O tempo acabou naqueles aparelhinhos do estacionamento. Fui.
Sarah Embaixadora Nena Sarti
Enviado por Sarah Embaixadora Nena Sarti em 27/11/2006
Código do texto: T303365
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Sarah Embaixadora Nena Sarti
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 65 anos
67 textos (2490 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 16:23)
Sarah Embaixadora Nena Sarti