Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

morreu Cesariny. levou a voz consigo...

a chuva bateu forte na noite, dorida a manhã despertou cinzenta, magoada, castigando o dia sem raios de sol...

na ânsia premeditada de saber o que se passa pelo mundo,
ligo o rádio, procuro noticias.

quando sintonizo a estação que me parece mais credível, oiço as novidades rotineiras de sempre...mais explosões em Bagdad, mais umas quantas tolices do "imperador" Bush, mais desemprego, tanto de percentagem na sondagem sobre a despenalização do aborto...

enjoado com tanto blá, blá crónico, disponho-me a desligar o rádio, quando surge a noticia "bomba". essa, sim, verdadeiramente, uma noticia...

uma noticia digna do nome, mas triste

...morreu esta madrugada em Lisboa, o poeta-pintor Mário Cesariny...

estarreci. senti em mim um baque paralisante...

morreu Cesariny? - interroguei a mim próprio como que ignorando a doença de que padecia já há alguns anos.

já se esperava que a doença e as suas 83 primaveras, podiam, a qualquer momento, ser fatais.

foi o que aconteceu.

morreu Cesariny...

...e eu caio em mim, pensando e olhando os vazios que há minha volta se vão dilatando...

...vazios que nos envenenam com o fel da saudade, daqueles que já não temos por perto e nos amparavam a discussão, a genese da ideia na confusão da opinião...

como amigo do poeta Ary dos Santos, nos longinquos anos sessenta, por duas ou três vezes, presenciei "discussões" e trocas de ideias com Cesariny.

ambos faziam estremecer as paredes d'A Brasileira, no Chiado. um e outro, muito senhores das suas opiniões, enriqueceram algumas das tertulias culturais de fim de tarde que, então, povoavam o próprio café e as  Livrarias Sá da Costa e Bertrand.

os néctares de cultura que aí bebi, muito contribuiram para o desenvolvimento do adolescente, a aprendizagem e
consolidação do homem.

morreu Cesariny...

um homem que assumiu de frente as suas ideias, forma de viver e que chicoteou a hipocrisia.

um homem de inquebrantável vontade subversiva, que foi contra a ditadura e contra dogmas.

Lisboa da intelectualidade nunca mais voltará a ser a mesma e Portugal ficou mais pobre.

já são poucos os que restam da transgressão da palavra e do "modus vivendi" pré-estabelecido.

neste fim molhado e triste de Novembro, enquanto espero a minha vez, olho os espaços vazios que tiveram voz e a sombra de grandes homens...

a tristeza avoluma-se.

cada vez mais habito a saudade daqueles que conheci ou com quem convivi.
João Videira Santos
Enviado por João Videira Santos em 28/11/2006
Reeditado em 28/11/2006
Código do texto: T303616

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (João Videira Santos). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
João Videira Santos
Lisboa - Lisboa - Portugal
233 textos (16634 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 03:04)
João Videira Santos