Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Palmadas e Palavras



Ela deveria ter 12 anos. Uniforme escolar, pele escura, olhos castanhos.  Seus cabelos negros trançados caiam pelo ombro, enquanto seu pai lhe batia na frente das suas amiguinhas da escola.

Um motivo banal: uma paquera de porta de colégio, pré-namoro adolescente, sonho de amor transformado em dor. Ele batia como se as pancadas tivessem o poder ausente das palavras. Como se a dor e a humilhação ensinasse mais rápido que o respeito e a compreensão.

Caminhava em direção ao ponto de ônibus, depois de um dia estressante de trabalho, quando vi a cena. Ninguém tem o direito de ensinar aos pais como educar seus filhos, mas todos nós temos o dever de agir quando alguém abusa do seu poder para intimidar, ferir e humilhar alguém que não pode se defender. Mesmo sabendo que poderia sobrar para mim, chamei o segurança da escola, e juntos, conseguimos separar os punhos do pai do corpo da menina, que chorava copiosamente, com  a cicatriz da mão pesada do pai no seu rosto, nas suas costas, na sua alma.

- Solta!!! – exigia ele, tentando se soltar – Eu sou o pai dela!

Ele estava alterado e mesmo estando errado, não podia ser julgado por estranhos; mas precisava compreender que criança alguma deve apanhar, ainda mais na frente do grupo de amigos que, nessa fase, ela tenta tanto conquistar.

- Ela deveria estar estudando! – se explicou –  Eu trabalho duro para ela ter uma educação decente e ela fica de namorico na porta da escola.

Educação decente começa em casa – pensei – afinal, violência é violência, não importa o motivo, não justifica a razão. Dois errados não fazem um certo. Falo isso não com a experiência de ser pai, mas com  a lembrança de ter sido um filho que já apanhou demasiadamente do pai. Meu pai, assim como o pai da menina, não era muito bom com as palavras, por isso se expressava com as palmadas, que viravam pancadas, que se transformavam em surras. Duelo desigual, onde um Golias ameaça um Davi sem defesa, sem força para reagir. Palmadas não deixam cicatrizes no corpo, mas calam fundo na alma, e se elas servem para alguma coisa, é para mostrar que violência não educa, apenas machuca e em muitos casos se transforma em trauma.

O pai foi acalmado. A mãe foi chamada e levou a menina pra casa. Tudo pareceu terminar bem. Baseado nisso, eu gostaria muito de terminar essa crônica com um final feliz, mas infelizmente, a violência que certos pais utilizam para educar e disciplinar seus filhos é ainda uma história que parece não ter fim.

Frank
http://cronicasdofrank.blogspot.com/
Frank Oliveira
Enviado por Frank Oliveira em 28/11/2006
Código do texto: T303903

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor Frank Oliveira http://cronicasdofrank.blogspot.com/). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Frank Oliveira
São Paulo - São Paulo - Brasil, 42 anos
1098 textos (126734 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 20:42)
Frank Oliveira