Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CAVALO ZAINO


Os ponteiros da  horas
 escorrem pela fresta da janela betume.
O tic-tac do tempo me desperta lembranças dos dias em que corria pela relva miúda e sentia o odor de suor, e o cheiro de alecrim florido esmagado sob o peso do casco.

Quando APOLO cruzava o alagadiço ganhando galopar pantaneiro, tal e qual herói dos filmes de bang-bang,
arremetia a montaria por sobre obstáculos e fazia o animal soltar um grunhido selvagem.

Hoje, abandonei aquelas aventuras juvenis.
APOLO enrijeceu as patas e nem ao menos consegue pastar no estábulo.
Observando o dia perder se exaurir em lágrimas de sangue;
escuto o relinchar denunciando que BASALA KANGA está no cio.
Antonio Virgilio Andrade
Enviado por Antonio Virgilio Andrade em 04/07/2005
Código do texto: T31058
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Antonio Virgilio Andrade
Riacho Fundo - Distrito Federal - Brasil
152 textos (16226 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 13:47)
Antonio Virgilio Andrade