Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Metamorfoseando

Seriam necessários mais que uma data, uma época, uma ocasião, para eu me sentir com vontade de me comunicar com Deus. A influência do momento, a paz do meu interior, a extrema certeza da nossa imortalidade, a precisão de todos os detalhes me induzem à idéia de me comunicar com Êle. Seria para dizer que, apesar de tantos contratempos, não indago nada, nada exijo, nem me enraiveço e me revolto nas adversidades. Eu me penitencio, sim, para poder agradecer as divinas dádivas recebidas.
          _Pedi a Luz e Êle me deu o sol para transformar os dias em momentos lindíssimos, as cores se maravilharem de tantos matizes, dando-nos as mais sublimes sensações de vida. Foi no aquecimento de nossos corpos, nossas almas, nossas ambições que nos trouxe tanto calor pela vida. Deu-nos a lua com seus luares enlouquecedores, convidando-nos a sonhar, a amar. E eu me travesti de luz. Leve , esplendorosa, mágica, irradiando fulgores ao meu redor. Raios de luar que entontecem corações, dando ensejo a me vestir também de amor, de calor, de vida, de encantamento...
          _Pedi, a Êle, Paz e recebi noções de candura, abnegação, carinho para meus semelhantes, reciprocidade de emoções, de afetos e de amizade que me fizeram ficar perplexa ante tanta preciosidade. E eu me vesti , mais uma vez, de amor, de carinho, de amparo, de proteção. Vestes alvas, esvoaçantes que me tiraram o fôlego, pondo-me a meditar, convidando-me à Paz gloriosa e merecida...
          Pedi também Brandura nos meus pensamentos, nas minhas ações e aí, Êle me ofertou flores, numa miscigenação de cores, num emaranhado de odores, numa puríssima imagem de plena tranqüilidade. Então, eu me travesti de abelha, sugando néctares celestiais, no mel das suas criações, voando de flor em flor me lambuzando de amor.
          Pedi, oh, como sou pedinte!, Esperança e prontamente fui atendida. Êle me deu serenidade, força, tenacidade e vontade de possui-la. Dotou-me de reflexão, de ponderação, de capacidade de espera, de não me desesperar e saber aceitar a que, se demorar ainda já estará para chegar. Eu, muda de emoção, me vesti de passarinho, voando solta fora do ninho, com as asas lubrificadas, energecidas de mágicas venturas. E voei alto, voei longe, recebendo a suave brisa a afagar meus pensamentos, minhas ilusões. Que sensações de Luz, de Paz, de Brandura, de Esperança me acometeram naquele momento divino, sacrossanto...
          _ No correr dos pedido, incluí outro que seria Alegria. Êle, apontando-me crianças brincando, animais passeando, plantas crescendo, rodeadas do mais puro sentimento de tranqüilidade.Isso pode ser Alegria de vida, de mansidão, de inocência e de carinho. Então, como num passe de mágica, me fantasiei de menina, de tranças, criança, nos meus tenros anos de idade, feliz com minha família, meus bichinhos amados, meus jardins floridos, minha vida encantada...
          _Continuando com meus pedidos, surgiu outro para fazer, o Perdão. Sem sentir surgiram à minha frente, como numa mágica ligeira, pessoas chorando, implorando oportunidades, novas chances pra se reerguerem. Isso foi de uma profundidade ímpar, pois lancei minhas mãos para afagarem, fortalecerem, acariciarem seres viventes, tementes, temerosos, aflitos, carentes, em completa dor. Pessoas que se ajoelhariam, se preciso fosse, para eu poder reconsiderar. Em lufadas do mais puro amor, carinho, ergui meus braços para abraços celestiais, humanos, irmãos, santificados. Num ímpeto, me metamorfoseei de anja, com candura no olhar, coração a palpitar, lágrimas se retendo para não encharcarem as penas e eu poder voar, levar para o espaço comigo, meus perdões, minhas calmas promessas de esperança e tranqüilidade. Alívio do meu coração, secretos ensejos de ajudar, de amparar, de proteger, de amar...
          _Pedi, a Êle, agora Saúde, então me respondeu: Como saúde? Se tens tudo, amor, carinho, abnegação, brandura, alimentos, ares, luares, calor, vida. Levanta-te daí, anda, constroi, planta, cuida, ampara, ama, respira ares frescos das manhãs ensolaradas, tépidas gotas de chuva a umidecerem as vegetações de encantos. Retira as mágoas, as ingratidões, as adversidades e, creia, que cuidando de tudo isso terás saude, pois sendo reflexo de uma alma pura, terás tudo, nada te molestará, nada de pior te acometerá. Então me fantasiei de gente, rindo, sabendo chorar para aliviar, amando, acolhendo, perdoando, afagando irmãos menos favorecidos, abrigando a paz, o carinho, a ternura, a sinceridade de propósitos. Êle dizendo: assim tu serás eleita e promovida a todas as escalas de encantamento e sedução de alma confortada, feliz, liberta de tentações de tristeza, de desassossego e de desunião...
          _Então, de veste em veste, fui cuidando e guardando as que me serviram de exemplos para me tornar só gente. Sou borboleta, passarinho, flor, amor, carinho, bichinhos, criança, lua, sol, afago, esperança, estrada, caminho, perdão e paz...
         E então Êle me acenou, abraçou e desapareceu, deixando em mim um torpor de Esperança, Amor e Paz...
 
Maria Myriam Freire Peres
Rio de Janeiro, 29 de dezembro de 2003
Myriam Peres
Enviado por Myriam Peres em 07/07/2005
Código do texto: T31928
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Myriam Peres
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 86 anos
473 textos (54612 leituras)
5 e-livros (275 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 15:40)
Myriam Peres