Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Monólogo da dualidade

A tristeza toma conta dos meus pensamentos. E são eles tão instigantes, que forçam meu coração a bater descompassado. Mesmo que a sua presença seja remota ou que não me alcance o seu perfume; Ainda assim falham-me as atitudes mais intrínsecas, como se eu fosse movida a cordas e, apenas o toque de seus dedos, pudesse dar sustentação aos meus atos.
Mas não procuro saídas ou respostas para tal acontecimento, visto que farta-me de alegrias sentir-me peça de um jogo onde não existam perdedores;
Há somente a vontade crescente de perder-me de mim, onde os freios comandam a existência, fazendo-me mero “ser”
E mais eu queria ser...
Nessa busca beligerante, onde meu intimo digladia-se com o tempo e a distância, perco eu.
E, na infinitesimal distância que meu coração mantém de seu coração, já o amo e isto é a minha vitória primeira, diante da vida, tão traiçoeira.
Só é destoante amar e não estar feliz. Pois, sentir tal sentimento invadir o próprio intimo, e, à revelia, o inconformismo alastrar-se impassível, faz nascer uma dicotomia injusta e sem fundamento.
Faço valer mais profundamente a felicidade e, ilusoriamente, fecho os olhos para a dor de perde-lo.
Lara
Enviado por Lara em 09/07/2005
Código do texto: T32618
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Lara
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 61 anos
113 textos (9672 leituras)
3 e-livros (253 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 04:32)
Lara