Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MULHER INGRATA XII: COMIDINHA NO CAPRICHO...(rev)

O que faz uma mulher que conclui, depois de pensar e pastar por demais, que vive no Inferno e dorme com o Diabo? Acostuma-se em alguns casos e decide sair, em outros. No primeiro caso estão enquadradas as mártires e vítimas tão ovacionadas pela sociedade. Os pilares das famílias, as mães exemplares e eternamente tristes, as mortas-vivas. No segundo caso estarão as Ingratas nas mais diversas versões.  A Mulher Ingrata é aquela que ouviu, ainda que num passado distante, e registrou a famosa frase: “good girls go heaven, bad girls go party” ou pra quem preferir uma versão mais brasileira, “as boazinhas vão para o céu e as más vão onde têm vontade”. Aí está o problema: nossa Ingrata já ouviu e registrou em outros tempos a tal frase. E ainda passou boa parte de sua fase de Mulher Abandonada Com Marido em Casa lendo coisinhas inofensivas do tipo: “Estas mulheres inteligentes e suas escolhas insensatas”, “Meninas boas vão para o céu e as más vão às festas”, e uma série de livrinhos  classificados pelo Marido Endiabrado como subversivos e libertinos, boa parte deles escritas por aquele ortodoxo guru, Mestre Osho. Nada demais. Apenas coisinhas que faziam o pensamento coçar cada dia mais.
E foi aí que começou a guerra. A moça resolveu que não queria mais assistir “a vida como ela é” e decidiu fazer “uma vida como eu acho que ela é”. Achou que podia voltar mais tarde para casa, que podia sair pra papear com as amigas, que podia, podia e podia... Evidentemente, atos de rebeldia depois de tempos longos de submissão não são bem aceitos no Inferno. E logo vem a cara de Como-você-ousa-rebelar-se? , que sempre funcionou tão bem. Mas agora, a Ingrata tinha se tornado uma Ingrata com bases científicas, depois de ler tantos livrinhos altamente instrutivos. E a resposta saiu certeira: “Não gostou, coma menos. E , a partir de hoje, a porta do quarto está trancada pra você. Greve do balaio fechado”.
Bingo! Acertou em cheio. O Diabo ama a Luxúria, e ficar sem sexo era algo inconcebível. Dia seguinte, flores no café da manhã, bilhetinho carinhoso, e cara de Você-me-entendeu-mal-docinho. Mesmo assim, nossa amiga agora era também uma Endiabrada e aprendeu um bocado com ele e sobre ele. Melhor manter a greve pelo menos por uns dez dias, ao final dos quais, evidentemente, o Diabo estava em tempo de explodir o saco. Literalmente.
Nova tentativa. Lá vai nossa amiga passear, sem aviso prévio de 24h, ao final do expediente, com uma amiga de muitos anos que passava pela cidade. Quando chega em casa, Inferno em chamas. Gritos, desaforos e acusações. “Quem é o cara?” Ferrou. Resposta imediata: “O teu colega de trabalho, imbecil. Quer saber? Faça as malas.” O Diabo não se retrata e nem pede desculpas. Mas alisa bastante como recuo estratégico.E com cara de anjo triste, cujo amor está sendo miseravelmente desconsiderado por aquela Mulher tão desalmada. A verdade é que, mesmo sabendo que vinganças só pioram as coisas, tem horas que não tem jeito: a mãozinha coça pra dar o troco, especialmente quando se percebe que o outro nunca melhora em nada, só muda de estratégia para alcançar melhores resultados.
               O Diabo faz o jogo do anjo triste por um certo tempo, mas seu temperamento inflamado não lhe permite agüentar muito e ele volta e volta às desconfianças e acusações. E decreta por telefone, num dia em que ela já tinha avisado que tinha uma festa de despedida de uma colega de trabalho: “Você não vai. Não estou me sentindo bem, preciso que você vá pra casa, fazer uma comidinha. Estou tão dodói...” A Ingrata, que já foi Pensante, agora também é Esperta e saca logo a jogada. Mas ela não briga mais. Já sabe meios melhores de resolver as coisas. “Claro, amorzinho...não tem problema. Vou fazer uma comidinha especial que vai limpar seu corpinho e deixar você novinho em folha.”
O Diabo chega em casa, feliz e faceiro, mas com carinha de doente que é para ser bem convincente. Encontra a mesa posta e sua comida preferida, quentinha, no prato. Ele come e repete. Ótima comida. Feita no capricho, com todos os temperos. E óleo de rícino. Três dias de banheiro parecem uma ótima medida para limpar qualquer organismo e deixar alguém novinho em folha...
Débora Denadai
Enviado por Débora Denadai em 13/07/2005
Código do texto: T33648

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Débora Denadai
Caracas - Distrito Federal - Venezuela, 54 anos
722 textos (154034 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 07:52)
Débora Denadai

Site do Escritor