Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

"Emoções"_*Velhice*

Emoções
 
Velhice
 
..."Velhice não é castigo
É apenas o epílogo
Dos tropeços desta vida"...
Myriam Peres
 
 
          Velhice é apenas um estado de espírito, jamais um enrugar, um embaçar, um deteriorar, um despencar de vida. que tanto nos aterroriza pela incógnita do futuro que está se avizinhando, inexoravelmente. Nos ciclos que temos que passar, que nos obrigam a vivenciar, torna-se às vezes um silenciar momentâneo de sensações, de ilusões, uma perda de entusiasmo, um amanhã que não consta, ou se consta, está ameaçado pelo medo,  pela incerteza daquilo que esperamos ansiosos que se realize.
          Velhice não é um amontoado de dores, ora aqui, ora acolá, que despertam na gente a sensação, a noção de que os anos se passaram, se lentos ou rápidos talvez até demais não demos conta, mas que ficaram registradas nas poeiras levantadas das nossas caminhadas, vigorosas ou relutantes, nesta  nossa jornada terrena, poeiras estas que ainda não se assentaram no chão definitivanente. Registradas, também, nas partículas de vida, as células que nos formaram e deram  origem e composição ao nosso corpo, ainda se dividindo na formação e continuidade de nossos tecidos, nossos órgãos, nosssos organismos que nos permitem viver.
          Nos desgastes normais, nas passagens dos anos através de nós, podemos constatar que deslizamos, que patinamos e que também tropeçamos nas pedras de acidentes de percurso, das vielas, das cancelas, dos caminhos e atalhos que temos que percorrer ainda, capengando nos exemplos que se insinuam e aparecem. É apenas um desgaste natural da matéria, um envelhecimento das artérias e diminuição dos movimentos comuns aos passares dos anos. Isso não é velhice, é apenas  o término da validade inerente às nossas jornadas, à nossa vida material, dando mostras do que soubemos ou tivemos que percorrer ao longo de nossas vidas.
          Sentimos a velhice realmente chegar, quando as emoções não nos fustigarem mais a alma, quando as saudades tornarem-se companheiras diletas e persistentes, nos fazendo curvar de apatia, de  fraqueza, na depressão da desilusão e do desestímulo. Quando não soubermos mais amar, nos doar na felicidade da entrega total e absoluta, nos soares de nossas campânulas de  emoções e sensações, que já residiram em nossos sonhos e anseios e já não nos interessarem mais, quando os amanhãs já tiverem sido ontem e se calarem no vazio e nada mais nos importar, deixando-nos sem ter amor e as lembranças doerem demais, aí sim estamos envelhecendo, estamos naufragando...
          Quando aqueles sininhos, que batem nos nossos corações, ficarem mudos e que não ressoarem mais aquelas melodias de esperanças no amor, aí envelhecemos mesmo, sem dúvidas ou interrogações... Começa, então o nosso adeus à magia da vida, aos lenços acenantes dos nossos anseios e felicidades. Isso se chama o recolher dos remos dos barcos dos nossos destinos, os sem sabor dos nossos ideais, nas águas dos "deixa pra lá" de uma vida insossa e desagradável nas âncoras dos nossos desencantos e desencontros.
          Velhice é isso e não as rugas que vêm embelezar nossos cabelos brancos, nos desgastes próprios da matéria, nas jornadas e escalares de intensos viveres e morreres... Deixemos as rugas aparecerem, os cabelos embranquecerem, as peles tornarem-se secas, ásperas e opacas, porque isso é o normal, o esperado através dos anos de tanta labuta física e emocional. Mesmo que as transformações físicas vierem a nos coroar, vivamos com o que resta dos nossos corações repletos ainda de amor pra dar, doar e se transformar em dádivas divinas nos protegendo e abençoando e dando sentido a nós, seres humanos.
          Vivamos a plenitude que ainda está presente, com as miçangas do nosso amor, calor e anseios ainda restantes de nossas sensações íntimas e avassaladoras, de afeto e carinho. Mas o manancial de lições que aprendemos, nos dá aquela sensação de vitória e felicidade eternas.
          Deus, Onipotente Pai, dai-nos apenas a certeza do dever cumprido para a nossa salvação e, se valeu mesmo a pena, a nossa tão pequena colaboração à Sua Maravilhosa Criação!!!
 
 
Maria Myriam Freire Peres
Rio de Janeiro, 13 de julho de 2005
Myriam Peres
Enviado por Myriam Peres em 13/07/2005
Código do texto: T33662
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Myriam Peres
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 86 anos
473 textos (54601 leituras)
5 e-livros (275 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 14:43)
Myriam Peres