Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

(En)Globalização da consciência


O homem continua deixando rolar tudo aquilo que os outros chamam de inevitável para a sua vida. Ele se convence com os argumentos da mídia e deixa que pensem por ele, simplesmente porque vê sentido na argumentação. Porém, nem chega a consultar os seus desejos e conceitos com a necessária consideração que a sua experiência de vida merece. Vê sentido no que lê, vê e ouve, mas de uma forma isolada do contexto da sua própria vida. "Nossa", pensa ele... "o cara que escreveu isso (falou ou mostrou) é um gênio". Empresta argumentos e os adota como seus próprios pensamentos. A grandeza do fato e da argumentação, promovem a subserviência instintiva da sua mente. O seu senso crítico nem se debate na superfície do inconsciente coletivo, levando-a direto para o fundo do poço das almas.

Sobre o mar sombrio que banha o mundo de hoje, navega com interesses velados, a mais recente einevitável tendência mundial: a (en)globalização. Implantada lentamente pelos que se auto-denominam policiais do universo - sediados no hemisfério norte das américas e liderados por um comedor de biscoitos "engasgantes" -, essas verdadeiras bombas de efeito amoral retardado estão sendo colocadas, uma a uma, em pontos estratégicos do nosso planeta. Um ato de terrorismo branco (existe isso?) que não destrói torres, porém, mina o terreno impedindo que elas cresçam (**). O domínio econômico não é menos sórdido e cruel que o militar. Ele invade as nossas vidas aos poucos, através das nossas contas bancárias, das prateleiras dos supermercados, das universidades, das indústrias, do rádio, datelevisão, dos jornais... e vai andando pelas ruas, como a nuvem da pestedo Egito bíblico, onde não há sangue de cordeiro suficiente para proteger todas as portas.

E o brasileiro (sou também umdeles), numa espécie de conformismo submisso ao poder do capitalismo e da sua conseqüente (en)globalização, engaja-se nesse processo de auto-domínio, preparando-se inconscientemente para se entregar aos outros.Vai aceitando as ações destrutivas da política externa subliminar (como o Sivam) e doando seu ouro para reforçar o caixa dos que se dizem mocinhos (porém, tão bandidos quanto os que roubam e matam à queima-roupa), árduos combatentes das drogas e defensores das florestas e dos rios (dos outros).

Brasileiros que ainda respiram. Este não é um discurso esquerdista, comunista, nazista, direitista ou centrista. É um pedido de reflexão. Pelo amor de quem quer que vocês queiram e acreditem. Vamos lutar. Mas lutar primeiro contra a acomodação da nossa mente e a favor da nossa vida, antes até que do nosso país. Vamos ajudar o mundo melhorando cada um primeiro, o seu próprio eu. Como poderemos dar aos outros o que negamos a nós mesmos? Com a nossa verdadeira consciência, teremos um mundo mais coerente para nós e não para os que nos emprestam as lógicas das suas razões.

Não é uma questão de patriotismo e sim de sobrevivência. Sobrevivência da nossa agonizante opinião própria.


--------------------------------------------------------
n.a..:(*) Para não ser incoerente com o que escrevo, peço, por favor, que reflitam sobre o texto e "conversem" com os desejos e expectativas já instalados em suas consciências. Não imaginem estar lendo um texto "Marxista", esquerda moderada ou direita. Limpem os seus corações dos preconceitos, doutrinas ou ideologias.
(**) Estou falando sobre a olítica e a estratégia dos governantes de um povo. Quero deixar bem claro que abomino todos os meios de violência e solidarizo-me com as famílias dos que morreram na ação brutal terrorista do trágico 11 de setembro de 2001. No entanto, tal fato não pode sufocar meus questionamentos sobre a coerência da implacável e supostamente existente "lei do retorno", muitas vezes desproporcional sob o ponto de vista terreno. Fazer calar meus pensamentos "in memoriam", seria algo duro demais para mim.
--------------------------------------------------------




RSanchez - (24/8/2004 16:55:09)
PuraReflexao
Enviado por PuraReflexao em 30/11/2004
Código do texto: T337
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
PuraReflexao
Campos do Jordão - São Paulo - Brasil, 62 anos
101 textos (15480 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 14:01)
PuraReflexao