Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

RETICÊNCIAS E FERMATAS


A lentidão do andamento esculpe o tempo na progressão de algumas emoções, cordas, sopros, corpos, sussurros... Dois seres se conjugam na co-autoria de uma peça única, a entoação das notas, o rabisco dos versos... Uma canção surge numa melodia diferenciada, parece crescer, ganhar corpo, pode então morrer no horizonte, ser um solfejar distante, um plágio...
Acordes acobertam palavras novas. Uma obra-prima... Talvez uma farsa...
Descompasso. Uma nota continuada suspende o tempo musical do instigante adágio. O verso é interrompido... As palavras não suportam a nota ininterrupta. Uma boca nua, uma mão seca... A palavra se cala e murcha, deixa-se retratar como uma natureza morta presa às molduras musicais de uma fermata. Vencido o corpo ainda sonha em reticências...
Poderia significar um andante, o acordar alegro, as tantas possibilidades musicais para a formação de um sorriso. Poderia ser o sabor das lágrimas que repousam após o diálogo dramático de uma ópera. Poderia se transformar numa surpreendente ária, numa ousada confissão. Poderia se perder num final sem recomeços. Mas...
A ruptura das horas na intermitência de lidar com algo contínuo impõe o silêncio. Os ecos de um adormecer em sonhos, o som a preencher a saudade com a certeza de que algo existiu, a expectativa de um andamento sombreado numa janela fechada, a agonia do pensamento suspenso pela única nota, o medo e a atração de se perder na alheia partitura.
Errantes, algumas inquietações se dispersam na possibilidade de serem acolhidas pela suavidade de um sentimento prolongado, outras se condensam na imagem da indiferença que reflete as sombras dos improváveis passos futuros. Um olhar triste, passivo aos sons e ao tempo partido... Uma nota apenas a suspender a espontaneidade de um andamento compartilhado.
Fermata com pausa. Suspense. Perdeu-se a magia da cumplicidade da criação. O compasso musical já não marca o tempo de uma expectativa. Em vão os dedos dedilham um andamento animado, mas o alegro já não preenche quem abandonou um verso inacabado... Sem exclamações ou reticências, a narrativa acaba sem mistérios quando não consegue mais surpreender a si própria.
Helena Sut
Enviado por Helena Sut em 14/07/2005
Código do texto: T34346
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Sut
Curitiba - Paraná - Brasil, 47 anos
614 textos (789838 leituras)
2 áudios (1258 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 22:55)
Helena Sut

Site do Escritor