Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda



Texto

BIG BROTHER BRASIL (BBB) – Uma crítica à crítica da crítica

        O BBB, programa exibido pela Rede Globo sempre no início do ano, já virou febre faz tempo – para ser mais preciso, desde a sua primeira edição (da qual eu assisti metade). Criticar o BBB também já virou moda – para ser mais preciso, desde a metade da primeira edição (a qual eu critiquei).
        A nova moda agora é (namorar sem roupa? Não) criticar quem critica o BBB. Sendo bastante prolixo, o que pra mim é dom e não vício, é uma crítica da crítica do BBB.
        Estamos vendo surgir agora uma corrente de BBB maníacos, metidos a intelectualóides, idêntica e apenas vetorialmente oposta à corrente dos anti-BBB maníacos (também metidos a intelectualóides), que criticam o fato de os outros criticarem o BBB.
        O argumento principal é óbvio, e rebate muito bem a quem critica o BBB sem saber o que está falando: BBB não é e nem precisa ser “cultura”; BBB não serve para deixar ninguém mais ou menos inteligente; BBB é apenas entretenimento. Tem razão. O grande problema, ao meu ver, é que a crítica ao BBB que o ataca apenas por não disseminar “cultura” é a mais fraca de todas. Com isso, essa crítica da crítica também se torna fraca, e não rebate com suficiência tudo o que o BBB tem de ruim.
        Por isso é que faço, aqui, uma crítica à crítica da crítica.
        Obviamente, BBB não serve para disseminar cultura. Serve para entreter. Criticar o programa porque “com ele não se aprende nada” é tão ineficaz quanto administrar antibiótico em virose. Muito provavelmente esses críticos fazem diversas atividades no seu dia-a-dia com as quais não aprendem nada, e nem por isso são mais ou menos burros.
         A grande questão é tangente a essa: para quê procurar esse tipo de entretenimento? Esse tipo de programa, que une e confina pessoas de “tribos” diferentes apenas para ver “o pau comer” (em todos os sentidos), não tem o mínimo de graça para quem procura entretenimento com um mínimo de qualidade (não digo de “aprendizado” ou "cultura", digo de QUALIDADE). O mesmo critério que utilizamos no dia-a-dia para enquadrar, por exemplo, um filme como bom ou ruim, pode ser aplicado ao BBB. E disso pouca gente fala.
         O BBB não só é um programa inculto – e aí não vejo muito problema – como é, também (e principalmente), um péssimo tipo de entretenimento – e aí vejo bastante problema. Expor pessoas ao extremo ridículo apenas por dinheiro; tratá-las (como faz o apresentador do programa) sob o predicado de “heróis”, como se o que estivessem fazendo fosse lá grande coisa (oh, Deus, ficar um mês longe da família, que dó); fazer festas regadas a álcool (e música ruim) que incentivam a putaria na sua forma mais primitiva; dentre tantas outras coisas medíocres e igualmente inacreditáveis, fazem do BBB, para mim, um dos 3 piores programas que já ouvi falar na história da televisão aberta brasileira (o pior deles está por vir: um tal de “Mulheres Ricas”, se não me engano a ser exibido na Band – quem assistir esse programa terá uma morte lenta e dolorosa).
           Por essas e por outras, dificilmente alguém com um mínimo aceitável de critério (não de inteligência, friso) assiste – e gosta – de BBB. E não se iludam com a quantidade crescente e assombrosa de votos nos “paredões” (uau, que palavra forte e melodramática, dá até um calafrio só de ouvir, né, gente?!) do BBB: garanto que 90% dos votos são repetidos de BBB maníacos que não têm o que fazer (ou fingem que têm) e votam 893 vezes por dia. A audiência do programa é boa, é verdade, mas não para tanto. Aliás: se você é um dos que efetivamente VOTAM para alguém sair do BBB, eu não gostaria que tivesse lido esse texto, já que vai fazê-lo com desprezo e sem o mínimo de vontade reflexiva – você é BBB maníaco e possui uma paixão tão irracional quanto a religião ou o futebol (se você é religioso ou torcedor fanático, também não gostaria que tivesse lido esse texto).
           À guisa de conclusão, quero dizer que não sou intelectual. Meu primeiro e último livro foi “O Pequeno Príncipe”, que li quando tinha 19 anos e não entendi nem metade. OK, isso não é bem verdade, mas reflete o que quero dizer: não se trata de “ser ou não intelectual”, de ser mais ou menos inteligente, trata-se, sim, de saber escolher o tipo de entretenimento que presta e o que não presta – e, para isso, há certamente um mínimo de critério. Agora, se você vier contra-argumentar com coisas do tipo “mas gosto não se escolhe, a gente acha bom e pronto”, aí eu vou ter que sumariamente desconsiderar tudo o que disse acima e constatar: você é de fato imbecil.
Fernando em Pessoa
Enviado por Fernando em Pessoa em 11/01/2012
Reeditado em 11/01/2012
Código do texto: T3435176

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (por Fernando Menegat). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Fernando em Pessoa
Curitiba - Paraná - Brasil, 26 anos
96 textos (4012 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/14 09:21)