Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cleptomaníaco


Rosa Pena



Ela pensou que o destino finalmente havia lhe sorrido, quando ele apareceu. Sabia que não existiria o depois. Ciente que o verbo era só no tempo presente. Ela apenas imaginou como uma criança que desenha a vida, feliz da vida, o pai maior que a casa, o elefante amigo da formiga, nuvens azuis sorridentes, um amor para sempre. Sonhos parecidos com as dobraduras que fazemos no papel, um barquinho de jornal que viaja o mundo em um segundo sem sair do lugar, um pedaço de cartão que vira um soldadinho sorridente.

Fantasias de um pequeno curumim.

Rabiscou em versos uma ternura imensa, e navegou suavemente na poesia, com o papo dele. Papo contente. Que nem o de político, pra virar presidente.

Por instantes ela virou um infante que se permite à alegria. Ela esqueceu por completo, que os adultos não sabem conjugar sonhos. Preferem tsunamis devastando oceanos, tablóides cobertos de sangue, nuvens que choram acidez, soldados que morrem de verdade, navios que se afundam com bombas. Ah, o pior mesmo é o que ela não sabia dele. A mania. Clepto.
Rouba pequenas quimeras como quem furta balas de crianças.

Levou inteiro seu drops misto de ilusões. Que nem todos os políticos  levam o da gente.



 2005
Rosa Pena
Enviado por Rosa Pena em 15/07/2005
Reeditado em 26/08/2014
Código do texto: T34596
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Rosa Pena
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
960 textos (1419581 leituras)
48 áudios (24767 audições)
33 e-livros (29020 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 15:50)
Rosa Pena

Site do Escritor