Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

QUERIDO, VÁ PENTEAR MACACO...

Já vou começar avisando que vou usar um bocado de clichês e frases feitas e pra já começar no estilo, quem achar que isto é literatura trash, bem, se não gosta, coma menos ou nem coma. Ta, sou mal educada mesmo. Principalmente se estiver gripada, já que TPM, pra mim, é a Teoria dos Poucos Miolos, que é aquele estado vegetativo em que se entra pra justificar todas as merdas que a gente faz quando está nos dias de pouca vontade. Mas o meu assunto é outro. É beijo, por incrível que pareça. Quem começaria um texto sobre beijo falando desse jeito? Não sei, mas já comecei, então vamos em frente.
Primeiro clichê: no primeiro beijo, a gente já sabe se o resto do serviço vai ser de restaurante VIP ou fast-food. Se já começa engolindo a boca da candidata a romance, já se sabe que romance é algo que provavelmente não haverá. Talvez um pequeno conto, dos mais furrecas; mas ROMANCE com estes letrões aí, num rola nem que a vaca tussa e ponha os bofes de fora. Minha teoria: se vem de leve, quase num sopro, sai passeando a língua de leve por todas as partes dos lábios (os de cima, calma, minha gente), já dá pra imaginar que quando chegar a vez dos outros vai ser uma senhora viagem sem precisar pagar passagem. Nem queimando uma plantação inteirinha de cannabis vai te dar uma viagem tão boa. Mas beijo tipo desentupidor de pia, sinto muito moçada. Pode até ser legal quando o motor esquentar e estiver batendo pino. Mas antes mesmo de botar a chave na ignição? Tem dó, isso é ligação direta, querer pegar no tranco. E não vem com esta balela aí que mulher liberada, resolvida, uma Deusa do Sexo, curte este troço. Isso aí é o que muita moça mal pesquisada declara porque andou lendo em algum Manual de Como Satisfazer um Homem em 10 Segundos. E dá licença, num to aqui pra satisfazer ninguém. E ninguém , a mim. A gente faz junto. Além disso, se é pra ser tão rapidinho assim, uma punhetinha resolve bem o caso.
Segundo clichê, não tão espalhado por aí, mas igualmente verdadeiro: pelo beijo, você já sabe que seu Grande Amor de Todos os Sonhos já se transformou no Grande Temor de Seus Piores Pesadelos. Sabe aquele negócio de quando você é beijado e a única coisa que esquenta são os seus miolos, que ficam perguntando: “Ai , meu Deus, quantos segundos isso terá que durar? E se forem minutos? Socorro!!!”. Alguém aí não passou por uma dessas? Sortudo! Nada pode ser pior do que isso. Só pode piorar se você estiver atravessando uma fase de autocomiseração e achar que deve se penitenciar pela humanidade e portanto, não apenas agüentar como ainda continuar por um longo tempo tocando a brincadeira que, convenhamos, não tem graça nenhuma.
Terceiro clichê, conhecidíssimo, que resume sabiamente os dois anteriores: “Amor sem beijo é macarrão sem queijo”. Imagine aí um belo spaghetti com aquele senhor molho de tomates (não o pronto no supermercado, engraçadinho), feito no capricho e na hora de servir, um queijo vagabundo ou pior, nenhum? Imaginou? Sentiu o gosto? Claro que não. Porque não tem gosto de nada. Mesma coisa. Faça amor sem beijar, ou dando só uma bitoquinha e “vamos direto ao assunto”...Ora, pra usar outra bem conhecida, se for assim, seja clara com o do outro lado: “Querido, sinto muito, mas vá pentear macaco...”
Débora Denadai
Enviado por Débora Denadai em 18/07/2005
Reeditado em 18/07/2005
Código do texto: T35551

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Débora Denadai
Caracas - Distrito Federal - Venezuela, 54 anos
722 textos (154036 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 15:53)
Débora Denadai

Site do Escritor