Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A trepadeira


A Trepadeira

       (Aham!... Pensou que era sacanagem hein?)
       Sabem essas plantas cheias de ramos que sobem pelas paredes, muros etc.?  È a popular trepadeira.
Ganhei uma trepadeira, quando ainda era uma frágil e inocente mudinha!
Isso mesmo, não falava nada! E ainda ficou bem abatida porque eu a trouxe meio abafada numa sacola, num vôo de Brasília a Recife!
Pois bem, essa trepadeira dá flor... Quer dizer floresce (eita diacho!) que é uma beleza!
Plantei, adubei , cuidei e cuidei...
Plantei-a na frente de casa porque as flores dela são escandalosamente belas!
(Não reparem: vício da rima, doença congênita), mas inofensiva!)rs
Como estava dizendo...
A plantinha pega-não-pega, pegou! Cresce-não-cresce, cresceu!
Tão delicada, a peste! Acostumada a viver no Planalto ela estranhou o nordeste...
Foi indo, adaptou-se! Foi crescendo, desenvolvendo devagarzinho...
E eu orientando o broto (aquele raminho da ponta) fui fazendo um caminho contornando janelas e portas até a varanda. Pensando: Nossa, quando tudo estiver florido, que beleza vai ficar a frente de casa toda ornada de flores! (deixe-me falar ornada mesmo, ora!)
Já ramificando, minha trepadeira começou a se rebelar! Além de não aceitar o trajeto sugerido por mim, com pregos e barbantes, fez um trajeto contrário e começou a voltar... Menina eu fiquei besta! Onde já se viu planta pensar e ainda por cima contrariar?
Pensei: É porque ela é trepadeira, tadinha!
Deixa, ela sabe onde quer trepar!
E foi crescendo, enchendo-se de botão pra todo lado, aos cachos!
Quando os botões começaram abrir, êta beleza! Cada flor linda!
De um vermelho assanhado quase vinho, meio bordô sabe, chega pisca! Adoro!
Meu escritório é em casa e trabalho perto da janela. Na frente das janelas tem grades de proteção assim como as varandas etc.
Mas a bendita trepadeira que inventou seu próprio trajeto, resolveu ficar na minha janela! Não na janela... Só na minha janela!
Sobe, desce, enrosca ali trepa acolá, ta virando cortina!
Imagine a beleza dessa bagunça!
Só não atravessa a janela porque tem tela! (ops)
Fico aqui olhando... Enternecendo-me bobamente (ou é tolamente?).
Bem, fico daqui enredada na beleza da janela quando de repente ouço um zumbido, depois outro... Ôxi!  Fiquei até espantada!
Vai que essa trepadeira começa falar!
Tão expressiva a bichinha!
Quase escuto o pedido dela: “Me deixe entrar, vai?”
E eu respondendo: Onde já se viu? Lugar de trepadeira não é dentro de casa! (rs) Na parte da manhã vira um desbunde de flores!
De tanto olhar descobri de onde vêm os zumbidos na minha janela.
São beija-flores na minha trepadeira! Na maior beijação!
Todos de bico enfiados nas florzinhas dela na maior sirigaitice!
Ai gente, natureza tem cada assanhamento! Eu hein?...
Moral da estória: Pode até ser besta, mas é verdadeira! Risos...
Afetuoso abraço!

Marilú
Marilu Santana
Enviado por Marilu Santana em 19/07/2005
Código do texto: T35852
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Marilu Santana
Paulista - Pernambuco - Brasil
204 textos (37058 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 05:12)
Marilu Santana