Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MARGENS DO RIO ÁSPERO


O que é a vida, se não um traste minimalista de tristezas?

Nesta tarde gris, Thaís – menina – curte a morte do amado, o mistério dos sentidos descoberto aos dezessete anos.

Tem um gosto amargo o traste corpo de meus cinqüenta e picos, o triste traço de quem sabe de que, na vida, o que sobra é esta flor do tempo – a Amizade – e o recorrente abraço, nesta hora em que as flores de papel e lata escondem-se, juntinhas, à sombra das velas, para chorar o réquiem por Ricardo Ramos, o Lilico, 21, um mero noticiário em um canto qualquer de jornal relatando a vida, margens deste rio áspero.

Enquanto mulheres (sempre as heroínas do amar), Suelly, a avó, Elvira, a mãe, e Samanta, a amiga solidária de três gerações, conversam na sala da televisão e entretecem o que a novela global do nobre horário rumina sobre os ritos ocidentais e orientais do amar.

Deslizam no meu pensamento os rituais das teias do amor, seus enlaces e desenlaces. Ora uma, ora outra face.

No aposento ao lado, o corpo de Thaís é um triste traste sobre o link virtual onde o digimau faz suas vítimas, a gritos, tiros e facadas. De uns trinta anos para cá, há sempre um vídeo à frente de nossos olhos e o olho eletrônico nos observa.

Afinal, “o primeiro sutiã a gente nunca esquece”, diz o publicitário.

Mais tarde, quando o capítulo terminar, e o quadro da TV estiver morto, restará apenas a história precária do que somos: um traço na paisagem e o toque de silêncio anunciando que a passagem se cumpre em todos nós, virtuais ou não.

A vida copia a arte e a técnica, enfim. Com todos os toques surrealistas.

É final de primavera, quase Natal, e o sol tímido, que a tudo espia, pisca o olho no horizonte, como a dar passagem ao mistério do amar em outra dimensão. Num repente, é rútilo aço polido, brilhando como uma nave espacial.

E em Tristesse, o espírito de Chopin, sempre vivo, mas inquieto e temeroso, rumina o coração dos viventes. Parece que o determinismo juntou o som do rádio e os relatos.

A conversa dos que ficam - mais do que nunca - traça arabescos sobre a vida no riso sarcástico da morte.

Poucos se apercebem que o viver é também o continente da morte. O desfecho do que não queremos tomar conhecimento.

É esta a outra ponta do fio de linha entre o nascer e o morrer.

Nada mais.
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 20/07/2005
Código do texto: T35918
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709703 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 20:21)
Joaquim Moncks