Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

                       
008


Rosa Pena

 

 

Ele caminhava na praia diariamente. Parecidíssimo com Sean Connery, até chegamos a pensar que fosse o próprio de férias no RJ. Enxutérrimo com um bronze de deixar qualquer mulher tonta. Um chapéu panamá que, fala sério! Setenta aninhos, ou sei lá, nem queríamos saber. "Tesãormônios" ambulante que abundava a orla, daqueles tesouros “Intocáveis”, também ganhou o Oscar nesse.
 

Ele sempre parava em frente ao local onde nós fazíamos exercícios de consciência corporal. Devo dizer que ficávamos olhando pra ele e, no final, o que fazíamos mesmo era inconsciência temporal. Viajávamos no passado imaginando aquela coisa linda aos quarenta, aos trinta, e tentando nos virar nele. Faustão inventou essa! Te vira nos trinta! Acho que ele sabia o poder que sempre exerceu nas mulheres. Parado como uma Rocha, prestava atenção aos nossos movimentos, mas com um jeito satânico de quem não vai dizer sim. Apenas No!
 

Minha performance ficou show. Acho que nem a Michelle Pfeiffer conseguiu melhor em A casa da Rússia. Safada vaidade feminina.
 

Malha preta fica bem em louras. Já usei essa? Vermelha é sensual. Cabelo solto ou preso? Homens adoram mulheres de rabo-de-cavalo. Batom de manhã? Descalça é mais legal que tênis! Fiz a unha do pé?

Um dia eu olhei pra ele com o meu olhar 007 e ele acabou por me notar. Sorriu da minha inquietude curiosa. Um mês entre sorrisos, nenhuma palavra dada. Não nos aproximamos, apenas aquela paquera silenciosa e muito da gostosa. Nos vimos todas as terças e quintas, até mesmo quando choveu paca durante o mês dez de 2003. Nossa professora finalmente (infelizmente!) arrumou para o mês onze, um espaço na Universidade da Cidade para continuarmos o laboratório corporal.
 

No último dia em que fui ao bat local na bat hora, passei bem perto dele pra sentir o cheiro do Sir. Mais um dado para ficar na memória. Afinal, era adeus, pois situações assim não se repetem. Esses amores malucos de férias, de metrô, de uma voz que dá alô, de um verso, de um esbarrão, de imaginar uma deliciosa viagem num Expresso Oriente, são amores temporários, sequer é traição.

 Tempero ligeiro que se coloca ou não no prato do dia-a-dia. Deliciosamente desnecessário, mas orégano é importantíssimo na pizza.

 

 Supérfluos momentos de encantamento que todo e qualquer coração merece.
 

Ficou na minha memória como Caçada ao Outubro Vermelho

Ele nunca soube O Nome da Rosa.

 

Rosa Pena
Enviado por Rosa Pena em 27/07/2005
Reeditado em 05/12/2013
Código do texto: T38217
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Rosa Pena
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
960 textos (1420162 leituras)
48 áudios (24767 audições)
33 e-livros (29060 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 04:08)
Rosa Pena

Site do Escritor