Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MAIS UMA VEZ AMOR

Gosto de falar de amor. Sei que corro o risco de me tornar piegas, brega, clichê e tudo mais, mas o que eu posso fazer, o amor faz parte da minha vida, é uma constante, de uma forma ou de outra estou sempre envolvida com ele. Agora mesmo, deslizo o mouse sobre um pad - e não um chaveiro - escrito love e fico sem armas para negar o dito cujo.

Amar é bom, e isso é tudo o que posso falar em defesa do amor. Amar machuca, às vezes; dói, às vezes; quebra as pernas, decepciona, maltrata, xinga e joga na parede, às vezes, mas é bom, ninguém consegue dizer que não é. Eu acho mesmo que o amor existe pra fazer da gente tudo aquilo que a gente quer ser. Se quiser ser o mais bonito, o amor faz. Se quiser ser o mais importante, o amor faz. Se quiser ser o único, quando é amor de verdade, faz. Ah, se faz.

Quando a gente ama, o que importa se chove?
Se engarrafa?
Se tem fila?
Se acabam os ingressos bem na sua vez?
Com o amor do lado se protege, se acalma, se espera, se inventa um novo programa.

Amor quando não dá certo corta o coração. Mas aí é amor que tem que acabar, que não vale a pena continuar, que é besteira insistir. Amor que "já era" é amor pra ser extinguido da vida. Pode até virar lembrança, mas só se for daquelas bem, bem distantes. É bom saber quando se amou. É preciso esquecer quando não se foi amado. Amar tem que ser bom, nem que pra isso seja preciso amar um novo amor.

Porque amor é bom. E só é amor se for bom. Amor dói de tão bom. Amor aperta o coração e deixa bem pequenininho assim que vira a esquina, de tanta saudade que deixa. Amor tem os lábios sempre quentinhos, as mãos sempre quentinhas, o colo sempre quentinho pra se fazer de ninho durante o inverno. Amor tem uma pele macia que desliza de um jeito gostoso... Amor olha lá dentro e arrepia a alma. Amor pede de um jeito que não dá pra não fazer. Amor faz de um jeito que não dá pra não pedir (Mais uma vez. E mais uma. E outra.). Amor, quando diz que vai vir, quase não é possível ficar esperando. Amor, quando diz que vai, quase mata.

Na verdade eu nem sei se sou eu que gosto de falar de amor ou se é o amor que gosta de falar por mim.

Mulher de Sardas
Enviado por Mulher de Sardas em 28/07/2005
Código do texto: T38340
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Mulher de Sardas
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 36 anos
50 textos (9999 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 03:58)
Mulher de Sardas