CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

A história do Sol e da Lua

Quem ama, ama além do infinito e capaz de enxerga além do arco-íris, do horizontes de atravessar os montes.
Quem nunca acreditou nisso é porque nunca esteve apaixonado e nem sabe o que está longe de alguém que é tão bom ter ao lado.
Se você acha que viveu algum amor complicado não conhece a história do Sol e da Lua. Se acha que conhece, mas não conhece a minha versão dos fatos.
 Era uma vez um amor intenso o amor do Sol e da Lua. Apesar dos seus encontro rápidos, distribuíam doses de paixão, afeto, amor, carinho e amizade. Um amor que nós humanos talvez não sabemos dar, nem receber.
O espetáculo desse amor acontecia no mesmo horário e como para eles não inventaram a vergonham se declaravam com exuberância, um espetáculo de cores fortes, vibrante como o valor dos seus amores.
O Sol amarelo, alaranjado, meio vermelho e a Lua com sua beleza prata.
Ninguém já mais viu amor mais bonito.
Eles sabiam a hora de se afastar para não causar danos um ao outro, nem suas respectivas responsabilidades.
Seu o Sol, que forma os nossos dias, ficassem muito próximo da lua por maior que tempo permitido mataria a sua amada, como seria a sua estrada.
A noite a grande amiga da lua eram inseparáveis e também e fazer o Sol sentir frio.
Por isso o encontro era assim rápido e intenso.
Era para ser infinito, não o eterno enquanto dura de Vinicius de Moraes, era o infinito literal.
Os casais amavam com mais verdade um outro.
Até que...
Bem até que algo inesperado aconteceu.
Logo com quem?
Sabe o melhor amigo do sol, dizem que ele traiçoeiro que nada, traiçoeira mesmo foi a paixão desenfreada, sem compreensão que ele começou a sentir pela lua, logo ela o grande amor do seu melhor amigo.
A Lua sempre amou o Sol e nunca deixar de amar e sonhava acordada com ele todas as noites. Gente ela tinha que ficar acordada a noite mesmo, mas ela sonhava enquanto seu amado a longa batalha que teve no seu dia. E sol fazia o mesmo, quando a saudade dele ficava mais forte os dias eram mais bonitos e quando ele chorava chamava sua amiga chuva e juntos o amigo e amiga chuva fazia um arco-íris. Eram casamenteiros das viúvas.
Voltando a história quando o mar fica entre o casal. Ele fica dando aquelas investidas na lua. Feliz pela lua tocar ele de uma forma que jamais poderia tocar o Sol.
Ele conversava com lua muito mais que o Sol e conseguia fazer um carinho nela.
Lua resistia tudo que podia.
Até que Lua fica carente e sede a paixão do Mar.
Inimigo pior são certas emoções e sentimentos quando não controlados. E assim foi a carência foi a grande inimiga da Lua.
Como a Lua é leal não demorou muito e contou para o Sol.
O Sol ficou desesperado, pois ele já não era mais o seu namorado.
Resolveu ir se afastar da Lua quem sabe outra namorada?
Andou paquerando umas estrelas, fez gracinha até para algumas nuvens, convidou sua amiga chuva para um passeio.
Esse afastamento no começo ele apenas não encostava na Lua.
Depois por não suportar mais vê-la resolveu não encontra-la.
Sem pensar nas consequências se mudou por um por planeta que nem mencionado no sistema solar.
A dor foi maior que as suas responsabilidades.
Passou então a existir só noites, todas muito frias e tristes, como tristeza da lua, que por mais que tentasse não conseguia sorrir com mar.
O mar estava tão ludibriado que não conseguia ver a tristeza da Lua. Ele estava mesmo muito feliz, porque a lua refletia nele todas as 24 horas do dia.
Não se importava com que ela sentia.
O mar na verdade não sabia o que era amar, pois quem ama se preocupa com os sentimentos do outro.
Os casais de namorados, tiveram uma ideia para ajudar o Sol e Lua e ninguém morrer congelados. Decidiram seguir o exemplo do Sol e da Lua que tanto se compreendiam, se amavam e se admiravam. Assim eles foram se aquecendo e sabiam que Sol ia voltar para ver a beleza do amar.
E assim se fez o Sol voltou, deu o perdão o seu amor.
As noites e os dias foram mais felizes.
O Mar também fez as pazes com seu amigo Sol e descobriu que o seu verdadeiro amor era a areia, eles brigavam, mas eram inseparáveis.
A areia e o mar se amavam de uma forma diferente do sol e da lua, mas não menos verdadeira.
O Mar, a Areia, o Sol e a Lua foram felizes por toda a eternidade.
Isso acontece com os humanos, no entanto felicidade agente pode construir todos os dias.
Ser feliz é pouco menos complicado quando temos o conhecimento daquilo que sentimos.
Viviane Barbosa da Cruz
Enviado por Viviane Barbosa da Cruz em 31/08/2012
Código do texto: T3858353
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre a autora
Viviane Barbosa da Cruz
São Gonçalo - Rio de Janeiro - Brasil, 26 anos
626 textos (17609 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/09/14 04:46)