Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O DIA QUE O CÉREBRO REBELOU

Sentado num canto da velha sala de tantas inspirações, estava o escritor, em meio a móveis modestos, velhos retratos na parede, um pequeno vazo com delicadas margaridas, sobre uma singela toalhinha branca, adornava o ambiente. Lá estava ele na elaboração de mais uma obra. Em sua mesa de trabalho, folhas e mais folhas espalhadas. Era uma linda tarde de verão, calor abrasivo. O velho ventilador não vencia o calor.

O nosso escritor era experiente, vivido, mas como  tantos esquecido no anonimato. Já havia escrito muitos poemas, contos, romances, e sempre a verve se aprofundava no infiníto das composições poéticas, exigindo do intelecto pesadas lucubrações.

Naquela tarde a inspiração em borbotões, jorrava, fervilhava na mente, tanto quanto o suor escorria na face do escritor, mas inexplicavelmente não conseguia transpor na branca folha de papel, não como ele a concebia. Exasperava-se o dileto escritor, escrevia, balançava a cabeça, amassava folhas e mais folhas e as jogava no cesto de lixo, que nesta altura já transbordava. Forçava os neurônios, passava a mão nos cabelos, e nada. Até que sentiu uma leve dor de cabeça, foi aí que tudo aconteceu. Um fato inusitado, estranho, sinistro. O cérebro rebelou-se, cansado de ser exigido. Amotinado expulsou a razão e imobilizou a emoção. Numa ínfima fração de tempo, arquitetou e desenvolveu uma bomba cerebral lançando-a no ar. A bomba literária explodiu sobre a cabeça do nobre escritor. Este atônito viu e sentiu aquela chuva de letras caindo e esparramando-se desconexamente cobrindo suas folhas de anotações. As letras zombeteiramente bailavam na mesa. A mão do escritor tentava, segurando a caneta, organizar palavras, tentava uma frase, uma sentença, uma oração, mas nada, tudo em vão. Letras no ar, espirrando feito hidrante estourado.

O escritor inclinou a cabeça assustado com a cena, justamente quando escrevia um poema para sua amada, motivo da sua impaciente perfeição. A mão largou a caneta, elevou-se espalmada e recostou à sua fronte, como a lhe dar conforto. E tome chuva de letras, era o vernáculo em rebelião.

Sem saber o que fazer, procurou fixar a imagem da mulher amada em sua mente. O cérebro relutou, mas como não havia se rebelado contra imagens, nada fez. O escritor percebeu aí uma debilidade na defesa deste que agora era seu algoz. E a imagem foi encorpando-se, tornando-se mais clara e definida, até que se assenhoreou do cérebro. A mão do escritor foi descendo lentamente, segurou a caneta diante das letras pululantes, e de repente, como num passe de mágica tudo  aquietou-se. E a caneta, movida pela mão escreveu: "meu amor te amo". O cérebro havia se rendido ao amor. A razão retornou, a emoção foi liberta. Alegria geral, todavia o objetivo cerebral foi atingido, posto que para declarar um amor, não é preciso composição intrincada, emaranhada, basta dizer as três palavras de pura magia: "eu te amo".

A razão e a emoção voltaram à eterna contenda dentro do cérebro do escritor, mas isso é outra  estória, conto outro dia.

nov/04
Andrade Jorge
direitos autorais reservados

ANDRADE JORGE
Enviado por ANDRADE JORGE em 29/07/2005
Reeditado em 23/02/2007
Código do texto: T38624

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
ANDRADE JORGE
Jundiaí - São Paulo - Brasil
1027 textos (89988 leituras)
26 áudios (1819 audições)
2 e-livros (330 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 20:47)
ANDRADE JORGE