Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

                         Franco atirador

                           Rosa Pena



Não. Não é o Vietnã. Não! Não é aquele filme com De Niro.
Nem sãos os comunistas os culpados, como sempre foram apontados, de todos os conflitos do mundo.
Só sei que é guerra, que o fogo é cruzado, que o campo é minado.
Que não mais consigo lhe ver sofrer de braços cruzados. 

É! Eu sei que a gente cria o filho pro mundo e que ele é uma selva, mas também sei que eu tinha o direito de sonhar com um mundo melhor do que o meu. Não fui "hiponga" por modismo, nem para ser descolada.
Eu acreditei em paz e amor!

Como lhe digo agora que tudo que preguei era mentira e que você encararia uma barra muito maior que a minha?
Como fico agora ao lhe ver chorar por ser decente, se isso virou passaporte para a solidão?
Aonde arrumo palavras para argumentar que vale a pena ser digna, nem que seja por si própria?

Enfim minha menina linda, não lhe criei para ostentar um troféu de mãe perfeita. Apenas achei que havia de chegar à era de Aquarius e com ela mudanças saudáveis. Considerei que no mundo não caberia mais maldade.
Loucas esperanças de uma idealista. Não imaginava que você fosse encontrar francos-atiradores pela frente, daqueles que abatem as fêmeas apenas para contabilizar e contar pros amigos idiotas.

Pensei que esse papo era antigo e encardido. Démodé. Que sexo, sexo e sexo, apenas pelo sexo, ficasse sem nexo. Que a droga virasse uma droga e que o afeto seria a palavra de ordem. Imagine se foi com John Lennon? Todos os humanos de mãos dadas num planeta-jardim foi total demência minha?
O pior mesmo é que os atiradores atiram em si próprio. Viram homens-bombas de seus destinos, mortos-vivos pela existência afora, envelhecidos nos seus deboches, em suas mentiras, em seus despropósitos. Pena que não sejam apenas francos de franqueza e não de falsa malandragem.Eternamente seremos uma sociedade suicida.

Não sei. Realmente não sei como lhe digo:
- Prossiga, pois eles são morte e você é vida.


Rosa Pena
Enviado por Rosa Pena em 01/12/2004
Reeditado em 31/10/2008
Código do texto: T395
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2004. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Rosa Pena
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
960 textos (1417547 leituras)
48 áudios (24767 audições)
33 e-livros (29000 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 09:14)
Rosa Pena

Site do Escritor