Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


Décima divisão

Rosa Pena

Apesar de ser exercício de cidadania, a ação de se deslocar para ir votar, implica em procurar uma vaga pro carro, enfrentar fila, ouvir repetidamente o som das bocas tendenciosas, falando bem alto seus secretos votos e o pior de tudo, exercer cidadania quando nem mais cidadão se é. Seria um saco se não fosse a surpresa de rever conhecidos varridos da vida do dia-a-dia, por mudanças de endereços da zona eleitoral. A minha permanece a mesma e de muitos do meu passado também, pois alguns na troca viraram mesários e eu fiquei com o grilo de entrar nessa. Nada contra, mas to fora dessa mesa! Minha zona permanece a da infância, daí quando vou votar, vira realmente a maior zona! Revejo sempre muita gente de minha história, algumas paqueras da adolescência, grandes paixões juvenis, desafetos que criei por conta da puberdade e que recrio atualmente como afeto, por conta da maturidade.

Nesta última, logo na entrada do meu saudoso colégio, dei de cara com seu Arlindo, conhecido como "seu Lindo", que foi meu inspetor escolar, sujeito educado e risonho, nunca temido, sempre querido.

Adorava futebol, torcia muito, mas seu time vivia na segunda divisão, até chegou a cair para a terceira. Recordei que nós adorávamos brincar com ele, tirar aquela casquinha, a graça naquela época não era porrada entre torcidas, era só zoar entre amigos. Ele fingia aborrecimento, afirmava que não ia livrar a cara de quem estivesse colando, mas acabava em pizza, prevalecia seu eterno bom humor. Pessoa sofrida, mas de bem com a vida. Durante a nossa conversa neste pleito, observávamos os que chegavam com saudades; muitos pararam para brincar com nosso antigo fiscal camarada, até parecia nossa hora de recreio. De repente aconteceu a entrada triunfal da Débora, antiga colega, que na época vivia com bastante dificuldade e deixava transparecer vergonha de sua condição, apesar do colégio ser público. Antigamente estes é que eram os melhores, gratuidade não significava mediocridade de ensino, a grande maioria dos alunos tinha uma boa condição financeira. Débora virou a predileta do Lindo, talvez por ele se encontrar nas dificuldades dela. Foi ele que a socializou com a galera e a protegia de forma descarada. Fez dela a rainha da primavera no nosso ginasial.

Neste domingo vi o seu olhar triunfal ao vê-la entrar tão resolvida e arrumada. Olhar de quem está colhendo as flores que plantou com carinho.

Ela nem piscou, passou batidinha por nós como se nunca o tivesse visto na vida, com o jeito de "emergente". Reparei a grande decepção do velho inspetor e na tentativa de quebrar aquele clima, perguntei pelo seu time e se ficava realmente injuriado com nossa chacota pueril.

— Aquela brincadeira de gozar o meu time? Nunca doeu, pois eu sempre tive convicção dele no topo ou no chão. Quando minha fé é colocada na segunda divisão como foi agora, aí sim que dói demais. Torcer errado é que é a grande merda na vida.



 

livro UI!


 

Rosa Pena
Enviado por Rosa Pena em 01/12/2004
Reeditado em 21/10/2008
Código do texto: T447
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2004. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Rosa Pena
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
954 textos (1389896 leituras)
48 áudios (24755 audições)
33 e-livros (28798 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/09/16 02:21)
Rosa Pena

Site do Escritor