Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ÍNDIOS, BICHOS E HOMENS

“Ninguém destrói mais o homem
do que ele mesmo
porque canta em pleno amor
o ódio com que se envenena.”.

Paulo Roberto do Carmo, in “Breviário da Insolência”, 1990.

Primavera. O olho do Tempo, sonolento, levanta pestanas sobre campos derramados de malmequeres. Coaxa a água da sanga entre pedras, musgos e ramas. Um sabiá esconde o ninho sob as ramagens do arroio. O vento cicia sua antiga canção de chuva. A algaravia comemora o mutirão, a festa da colheita. Pousa o crepúsculo sobre o templo do Rio Grande. Acontece a Ave-Maria nos galpões. Nos capões de mato, cigarras e o cricri dos grilos. Voltávamos da visita às ruínas de São João Batista. Apesar de toda essa placidez ambiental de cursos d’água, o teatro da realidade se instala à luz dos círios (imemoriais) no II Acampamento da Poesia de Entre-Ijuís, neste comecinho de novembro. Pirilampos sobre cabeças, fachos de luz dançam a oralidade dos homens. Mnemósine e suas filhas, gregas silhuetas, redivivas musas, sussurram dengos e mitos no palco a céu aberto. Neste, o plenilúnio e seus eclipses. O ambiente é perfeito para a tessitura – ferramentas no alforje – mas não há jeito de fazer florir o verso... Há tristeza demais para compor belezas. E para quem é do fetiche, fazer poemas é lidar fundamentalmente com a beleza do mundo. Ou o que ainda resta dela... Abro um dos meus ferramentais de amor e encontro “O Cavaleiro da Esperança”, de Jorge Amado, 1942. A esmo, os olhos viajam: “O Poeta e o Herói constroem os povos, dão-lhes personalidades, dignidade e vida. São momentos supremos na vida de uma nação e na vida de um povo. Tão necessários como o ar que se respira, a comida que se come, a mulher que se ama. (...) Nunca te enganarás, amiga, porque o povo nunca se engana. Ele sabe como é a voz dos seus Poetas, porque é a sua própria voz. Ele reconhece a figura dos seus Heróis, porque é a sua própria figura.”. Leio, releio relatos, e é sempre a mesma história: gente tratada como gadaria recolutada a campo, levada ao matadouro. Assim o Rio Grande antigo, muito antes de São Pedro, o Padroeiro. Tudo era apenas Tupã, nas pajelanças e nos conchavos tribais. Depois, aos ventos do século XVII, nada do Império, apenas a Pátria Pampa e seu agreste destino. Guaranis, guenoas, minuanos, caigangues e outras nações mascavam suas penas, mascates em campo aberto, jaguares nos capões de mato. No entanto, tudo era de bom tamanho nestes rituais telúricos. A vida era simples e a terra só tinha dois donos: o índio e os bichos. A Coroa dos Reis voltara-se pro Sul da América e os tacapes dos vassalos depositaram-se sob a Cruz de dois braços: um para o praticante e o outro para o imemorial de sofrimentos bíblicos. À frente da Companhia de Cristo, chegavam Jesus, Maria e muito trabalho nas lavouras. Os olhos da cobiça dos bandeirantes nunca viram as cruzes do Amor. Enlaçaram-se com o Demo e urdiram suas trampas... Raízes dolorosas na terra, lamentos contaminaram flores nos campos. Começava a doma dos animais xucros: gente em pelo e suas pobres crias. Tudo o que vem por diante é coisa de bichos e suas carcaças. O homem ficara de longe, aquém de sua alma, além de suas patriadas territoriais. Mortiços, os olhos e suas armas lamberam a peste. A morte se instalou soberba entre a erva-mate, o algodão e o gado provindo de além-plagas.  Pedra, ferro e pólvora rasgaram acordos e tréguas. Refizera-se a vida. Somente cantos e rezas a contar as nações submissas. Já que não posso cantar flores, rumino liberdades e gritos de medo, entreverado no bandeirante, na Cruz de Cristo e nos muitos inocentes de alumbramentos da fé. Aos meus olhos atônitos, nalgum lugar destes lançantes e canhadas, a deusa Liberdade dormita sua cabeleira loira sobre os campos doirados de sol, soja e trigo. Sobre o peito de vencidos e vencedores, restaram aturdidos o cemitério, as cruzes missioneiras e a cobiça dos últimos três séculos... Um caminhão abarrotado de trigo atravessa a ponte do Ijuí-Guaçu. A ferraria treme até as cruzes do cemitério de São João Batista! O radinho-de-pilha anuncia que a Bolsa de Chicago diminuiu o preço do trigo e soja brasileiros devido a barreiras alfandegárias protetivas da economia dos irmãos americanos-do-norte. Psiu, silêncio! Há uma criança caigangue morrendo de fome na estrada...

(Missões, Cemitério de São João Batista, Entre-Ijuís, RS, 1697/2003).

– Do livro AFLUÊNCIAS: 2º ACAMPAMENTO DA POESIA DE ENTRE – IJUÍS. Santo Ângelo: Ed. Talento, 2004, p. 7:10.

– Do livro A BABA DAS VIVÊNCIAS, 2004/2013.
http://www.recantodasletras.com.br/cronicas/45216
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 26/08/2005
Reeditado em 03/05/2013
Código do texto: T45216
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709721 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 22:11)
Joaquim Moncks