Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O FULANO MORREU

O FULANO MORREU


Coisas absurdas andam acontecendo. Devo estar fora de área. Fui fazer exame de urina, coisa de rotina, o exame não é caro. Ao buscar o resultado, a atendente perguntou-me:
-  Você já fez exame de próstata?
-  Não, senhorita. O que é isso? Para que serve esse exame?
-  O Sr. não sabe? É muito importante!
Pensei: Importante para quem? Para mim ou para o laboratório. Mas já que ela tocou no assunto vou adiante:
-  Por que é importante?
-  Por causa do Câncer, respondeu-me.
-  Será que estou com câncer? Perguntei.
-  Não senhor! Só através do exame é que poderá saber.
-  Ainda não entendi. Por que fazer esse exame? Tenho cara para essa doença?
-  Não senhor! É que depois dos quarenta anos é conveniente prevenir. Ele mata a maioria dos homens.
-  Mas, senhorita, o trânsito mata mais. A violência nas ruas mata mais. A fome mata mais...
-  Não! O câncer de próstata, pode crer, mata mais do que tudo isso!
-  Pois bem, vou fazer. Como é? Indique-me as providências.
-  Claro! Com prazer!
Eu sei que com prazer, pois vai ser grana do meu bolso, tenho certeza e fiquei escutando os passos a serem dados.
-  Ok. O senhor vai fazer exame de urina normal de rotina, o de bacterioscopia pelo Gram e PSA-Antígeno prostático específico. Procure o médico e ele resolve tudo.
-  Mas tem esses exames, com nomes tão esquisitos aqui na cidade? Perguntei com certa ironia.
-  Sim, tem sim.
Procurei o médico e fiz os exames. Retornei e mostrei-lhe. Olhou, olhou e concluiu: nada importante, mas é bom o senhor tomar uns remedinhos e indicou-me, graças a Deus, somente um.
-  O senhor sente alguma coisa? Perguntou-me ao sair.
-  Sim, cansaço. Mas acordo cedo e deito tarde.
-  Então é bom o senhor procurar um clínico.
Um clínico? Para quê? Meu cansaço é normal. Já estou descendo a serra e a subida cansou bastante! Mas, por via das dúvidas...
E fui ao clínico. Resultado: raio X, de uma porção de partes do corpo, inclusive do pulmão, coluna, vértebras, eletrocardiograma etc. Fui até bater na porta de um laboratório para exame de densitometria óssea. Ah! Ia esquecendo, fiz também ultra-sonografia da próstata. E outra, passei por meia dúzia de médicos e fui sondado por uma porção de aparelhos esquisitos. Parecia até que eu era um extra-terrestre sendo examinado por uma equipe da NASA. Coisa engraçada a medicina de hoje! Se você tem um resfriado e procura um médico, ele acha que você tem uma porção de coisas maléficas e aí começa uma peregrinação. Eles acham que a idade é ou será responsável pela morte. É claro, ninguém vive aqui eternamente. De algum mal vou morrer. Passou algum tempo. Olhei para a mesinha, uma porção de remédios, vitamina E, cálcio e outras porcarias. Indignado por ter sido trapaceado, num repente de ira joguei tudo na latrina. Melhorei por completo. Não sinto nada, só a vinda da idade e disso tenho consciência.
-  Bom era antigamente! O fulano morreu, você sabia?
-  Não, de quê morreu?
-  De morte morrida.
Karuk
Enviado por Karuk em 28/08/2005
Código do texto: T45827
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Karuk
São João Del Rei - Minas Gerais - Brasil, 76 anos
300 textos (31539 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 14:39)
Karuk