Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Tudo de Bial

Tudo de Bial

Fatima Dannemann

Gente, não nego que eu gosto de TV. Assisto de tudo, programas intelectuais, programas bregas, programas sisudos, programas de humor escrachado. Afinal, detesto preconceitos pois todo preconceito para mim é igual a racismo, é confinar o ser humano e suas criações em guetos, formar panelinhas e fechar os olhos. Ou seja: está por fora. E nessa de ver de tudo, vejo o Big Brother Brasil que está em sua quinta edição. Mesmo porque, entre os rapazes tem sempre uns filezinhos e refrescar a vista é sempre bom. E nessa edição tem. O melhor deles: Pedro Bial.
Bial que se tremeu todo na cobertura da Guerra do Golfo, que se enrolou por falta de subsídios no Rock in Rio, que é meramente protocolar como repórter e apenas mais um nas chamadas do Fantástico se revelou um showman equilibrado na apresentação do Big Brother. Ainda não perdeu as manias das caretas (Fatima Bernardes fez escola), mas é coerente em suas observações e não tem muita frescura. Sem falar na voz maravilhosa, no lindo sorriso, nos cabelinhos de querubim... Mas dá de dez no Zeca Camargo que apresentava o falecido Sem Limite (ou não era ele?).
No primeiro BBB, quando anunciaram o jornalista como apresentador do programa eu fiquei com os dois pés atrás. Ele é aquele cara tudo de bom, mas a imagem que ficou aqui foi a do Bial se tremendo todo para falar dos mísseis scub na Guerra do Golfo. Ah, e se tremendo, mas em Israel, um pouquinho longe do Iraque. E mais: a de um repórter que fazia a guerra parecer um inocente vídeo game. Ele só faltava dizer: "e agora com vocês, mais um sensacional Míssil Scub destruindo campos de petróleo iraquianos"...
Por essas e outras, Bial me soava esquisito para apresentar o BBB. Lembrava os foras que ele deu no Rock in Rio quando se mostrava pouco a vontade não só com o heavy metal e outros estilos mais pesados, mas com todos os tipos de musica pop. Lindo e sofisticado, com aquela cara de quem não estava gostando de musica nenhuma do Rock in Rio, Pedro Bial me passava a imagem de quem ouve música clássica. Ou jazz. Ou daquelas musicas instrumentais mais invocadas como as de Pat Metheney. Tudo bem. Eu também ouço música clássica, jazz, musica instrumental invocada, musica celta, musica africana e adoro rock. E também sou jornalista. Ah, e as vezes também ia fazer determinadas matérias visivelmente contrariada. Mas minha praia é jornal e dá para disfarçar mais a falta de familiaridade. Nesse ponto eu entendo o Bial.

Mas, em TV, as coisas são diferentes. Imaginei como um cara que vivia no exterior, Londres, eu acho, acostumado a jogar golfe, a ter aquela vida culturalmente efervescente de cidades como Londres, Paris, Amsterdan, Dublin, Edimburgo e outros endereços podres de chique, ia concordar em ficar três meses no Brasil conversando com um bando de rapazes e moças que resolveram se trancafiar numa casa por três meses em troca de uma bolada. Pois foi ai que Bial se encontrou. Vejo Bial apresentando o programa com graça, leveza, tipo um pai, ou mesmo um psicólogo, aparando pontas, dando broncas de leve quando preciso, enfim, se revelando. Um estilo chique de apresentar um show, pois está ali, além do deus grego com sotaque brasileiro maravilhoso, está um quase lorde inglês.


Maria de Fatima Dannemann
Enviado por Maria de Fatima Dannemann em 10/09/2005
Código do texto: T49401
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria de Fatima Dannemann
Salvador - Bahia - Brasil
66 textos (9052 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 23:46)
Maria de Fatima Dannemann